Selic abaixo de 2,25% ao ano e queda de 9% no PIB: previsões herdadas para 2020

Selic abaixo de 2,25% ao ano e queda de 9% no PIB: previsões herdadas para 2020
Bilionários americanos ficaram ricos em US $ 434 bilhões desde o início da pandemia, segundo um relatório
25 de maio de 2020
Selic abaixo de 2,25% ao ano e queda de 9% no PIB: previsões herdadas para 2020
Estados Unidos anuncia proibição de entrada de viajantes no Brasil devido a coronavírus
25 de maio de 2020

Selic abaixo de 2,25% ao ano e queda de 9% no PIB: previsões herdadas para 2020

Selic abaixo de 2,25% ao ano e queda de 9% no PIB: previsões herdadas para 2020

Selic abaixo de 2,25% ao ano e queda de 9% no PIB: previsões herdadas para 2020

Que o dólar tenha sido uma aposta mais fácil para ganhar dinheiro no Brasil, isso não é novidade para ninguém: de cada dez gerentes com quem conversamos, pelo menos nove são comprados em dólares ou já realizaram essa operação nos últimos dias.

Agora, que a bolsa e o dólar, juntos, são a melhor combinação para ganhar dinheiro no Brasil, isso não está de acordo, mas é a tese que Felipe Guerra, sócio e fundador da Legacy Capital defendeu na Coffee Stocks nesta sexta-feira.

Guerra e Legacy ocuparam posições otimistas no Brasil, mas após a pandemia de coronavírus eles adotaram uma postura mais cautelosa. Um dos fatores que sustentam a posição longa no mercado de ações e no dólar é a possibilidade de o Banco Central não poder ajudar a diminuir a taxa Selic.

PROPAGANDA

As razões que o levam a acreditar nessa possibilidade são: crescimento econômico muito baixo devido à recessão e à depressão financeira devido a um nível de interesse que deve permanecer baixo por muito tempo.

Abaixo está um resumo das principais partes da conversa. A entrevista em vídeo completa está abaixo:

Cuidado com o Brasil

Somos muito mais cautelosos com o Brasil porque o país gasta mais do que recebe. Segundo nossas contas, sofreremos uma contração de 9% do PIB este ano e com o viés de ser pior que isso. O déficit primário, que de acordo com nossas contas teria sido de 2,5% antes da crise, agora deve ser pior que 10%. A discussão nas próximas semanas será se a ajuda de emergência para lidar com a crise será permanente e a verdade é que algumas devem ser. Em outras palavras, em nossa opinião, o déficit primário do próximo ano será muito pior do que os 2,5% projetados pelo mercado para o próximo ano.

Além disso, o Brasil conseguiu adicionar uma crise de saúde à crise econômica baseada na questão fiscal e misturada com uma crise política. Se o país enfrentou dificuldades de crescimento antes da crise, quando estávamos todos eufóricos, a partir de agora deve ser ainda pior.

As duas grandes convicções do legado para o Brasil

PROPAGANDA

A primeira é que o Brasil crescerá muito pouco nos próximos anos e a segunda é que o baixo crescimento associado à inflação tremendamente baixa fará com que o país entre em depressão financeira.

O Brasil crescerá pouco e a inflação deverá permanecer persistentemente baixa enquanto a lei do limite de gastos públicos for mantida. Teremos uma série de diretrizes que quebram o teto, então essa é a questão mais importante para o Brasil hoje. Se a lei for aplicada e o teto for mantido, o que acreditamos que acontecerá, a expectativa de inflação permanecerá ancorada. Com a expectativa de inflação ancorada, trabalharemos com um país com dificuldades de crescimento e baixas taxas de juros por um longo tempo.

Juros baixos por mais tempo levarão à depressão financeira. Eu acho que o BC terá dificuldade em parar em 2,25% ao ano que está sinalizando. Nas próximas reuniões, teremos dados econômicos tão ruins, com o desemprego tão alto e a inflação tão baixa que deve continuar a reduzir [a Selic].

Estamos trabalhando com uma taxa de inflação de 2,7% para o próximo ano, que está bem abaixo da meta do BC [3,75% em 2021] e já vimos alguns sinais do próprio BC de que 2,25% não deveriam ser o piso. Com taxas de juros mais baixas, entraremos em uma depressão financeira.

A combinação do dólar e do mercado de ações e as posições herdadas

Em uma depressão financeira que será capturada por baixas taxas de juros, as pessoas procurarão ativos reais como alternativas de investimento que rendem mais de 2% ao ano. A bolsa possui ativos reais e o dólar é um ativo real. Quando as pessoas são mais otimistas, compram uma bolsa e, quando são mais pessimistas, compram um dólar. Eu acho que a combinação de bolsa e dólar no portfólio funcionará muito bem.

Isso não significa que você deve navegar no Brasil com o baú aberto. É uma economia burocrática, pouco produtiva e que enfrentará dificuldades de crescimento. É necessário encontrar um portfólio equilibrado, para que nossa posição no mercado de ações internacional seja ligeiramente superior à do Brasil. Financiamos a compra da bolsa de valores brasileira com curtas-metragens na bolsa de valores mexicana.

fonte: https://www.infomoney.com.br/stock-pickers/selic-abaixo-de-225-ao-ano-e-retracao-de-9-no-pib-as-previsoes-da-legacy-para-2020/

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: