Possibilidade de mudança no comando do exército gera apreensão militar

Possibilidade de mudança no comando do exército gera apreensão militar
Estações SP CPTM e Metrô recebem ‘cabines de saneamento’ contra coronavírus
4 de maio de 2020
Possibilidade de mudança no comando do exército gera apreensão militar
Bolsonaro nomeia Ramage como ‘braço direito’ para liderança de PF
4 de maio de 2020

Possibilidade de mudança no comando do exército gera apreensão militar

Possibilidade de mudança no comando do exército gera apreensão militar

(foto: AFP / Sergio LIMA)

O presidente Jair Bolsonaro está considerando retirar o general Edson Leal Pujol do comando do exército. A intenção, segunções fuentes do governo, serie hacer espacio for un soldado mais leal a el, como o general Luiz Eduardo Ramos, atual ministro jefe da Secretaria de Gobierno. As informações, que vêm com a circular Este domingo (3/5), em Brasília, gênero de apreensão nas Forças Armadas. O presidente não está contido com as algas das ações dos militares, como as solicitações para os brasileiros mantêm a distância social debitada à pandemia de coronavírus e o alineamento limitado às interes do Planalto. O presidente avalia a destinação do comando geral do exército. A intenção, segun- do fuentes do governo, serie hacer espaço para um soldado mais verdadeiro, como o general Luiz Eduardo Ramos, ministro real da secretaria de governo. A informação, que cometeu a circular este domingo (3/5), em Brasília, gênero de apreensão no presidente. escassa alineação com as intereses do Planalto.

O retorno eventual de Pujol dejaría de vários tipos comunas do meio ambiente, como a elevação no comando do comandante do pessoal militar de mais idade, como uma grande categoria de títulos e que tem na cueca. Fuentes escutados por The Courier, tanto pessoal quanto militar que é parte do Ejecutivo, como membros de três partes que desconectam as políticas relacionadas, se a posição do grupo é ocurra “é muy difícil”, você pode ver na prática a série una gran desaprobación.

MÁS INFORMACIÓN 20:31 – 03/05/2020 “As forças armadas do Brasil, não do governo”, dados Barroso

17:35 – 05/03/2020 Maia dita o grupo pró-Bolsonaro ” confunde a política com o terrorista ” Não há um dos militares mais aceitos pelos generales de alto escalão do exército, a partida de Pujol para dar uma olhada em um número mais próximo do Planalto seriado visto como uma interferência nos precedentes. “As Forças Armadas são institutos do Estado, que não estão envolvidos em disputas políticas. O Presidente tem o poder de negociar o comandante, sabe que não há risco de romper uma navalha durante o mandato. Esta navalha pode revertê-la a uma enfermaria, muerte. ou muerte. a request. Pero never by estratagema policy “, avalia um militar da parte superior do exército.

Em vídeos institucionais publicados no site da Web do Exército e nos canais das Forças Armadas, Pujol defendeu o respeito à custódia e ao dia em que a pandemia de coronavírus “é um dos maiores desafios da nova história”. Na semana passada, Bolsonaro visitou o Comando Militar do Sul, e após acessar o Pujol, recibiu um código de erro, segure o código de alerta para evitar a propagação do novo coronavírus.

O erro é seguido por todo o resto do pessoal militar que é bem-vindo ao presidente, considerando que é debajo de Pujol na jerarquía e seguir as recomendações do comandante. El acto, aunque correcto, no complació al president. Neste domingo, em frente ao Palácio do Planalto, o presidente dos manifestantes que cuida do lobby das Forças Armadas.

fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2020/05/03/interna_politica,850994/possibilidade-de-troca-no-comando-do-exercito-gera-apreensao-militar.shtml

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: