O delegado diz que foi entrevistado por Ramage em 2019 sobre enfrentar a PF no Rio de Janeiro

O delegado diz que foi entrevistado por Ramage em 2019 sobre enfrentar a PF no Rio de Janeiro
O ex-superintendente do Rio de Janeiro contradiz Bolsonaro e confirma que seu filho foi investigado
13 de maio de 2020
O delegado diz que foi entrevistado por Ramage em 2019 sobre enfrentar a PF no Rio de Janeiro
Bolsonaro não confiava no ex-diretor da FP porque Moro era “desarmamento”, diz o deputado
13 de maio de 2020

O delegado diz que foi entrevistado por Ramage em 2019 sobre enfrentar a PF no Rio de Janeiro

O delegado diz que foi entrevistado por Ramage em 2019 sobre enfrentar a PF no Rio de Janeiro

O delegado diz que foi entrevistado por Ramage em 2019 sobre enfrentar a PF no Rio de JaneiroMais três testemunhas testemunham sobre a suposta tentativa de Bolsonaro de interferir na PF

O superintendente da Polícia Federal do Amazonas, Alexandre Saraiva, disse nesta quarta-feira (13) em depoimento que, em 2019, ele foi entrevistado pelo diretor geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, se ele concordou em assumir o cargo de superintendente da PF no Rio de Janeiro. Segundo Saraiva, ele disse “rapidamente” que o fez.

Também no depoimento, Saraiva disse que “não tem laços” com o presidente Jair Bolsonaro.

Saraiva testemunhou na investigação investigando se Bolsonaro tentou interferir na PF. Em abril, Sergio Moro anunciou sua renúncia como Ministro da Justiça, alegando que Bolsonaro havia interferido na empresa ao demitir o então CEO, Maurício Valeixo.

No ano passado, o presidente disse que queria Alexandre Saraiva como superintendente de PF no Rio de Janeiro. No entanto, outro delegado, Carlos Henrique de Souza, assumiu o cargo. Souza é o atual CEO da corporação.

“[Saraiva disse] que, no início do segundo semestre de 2019, recebeu uma ligação do Dr. Ragem, perguntando ao declarante [Saraiva] se ele aceitaria assumir a superintendência da Polícia Federal do RJ, que o representante prontamente aceitaram.”

Segundo ele, Ramage disse que Bolsonaro estava procurando nomes de empregos. Saraiva não sabia dizer, porém, por que Ramage pesquisou posições não subordinadas a ele.

Saraiva disse ainda que, no aeroporto de Manaus, “ele foi interrogado pelo então ministro [Sergio Moro] nos seguintes termos: ‘Saraiva, o que é isso de você no Rio de Janeiro?'”. Segundo Saraiva, ele informou Moro do telefonema de Ramage.

1 de 1 Alexandre Saraiva, Superintendente da PF no Amazonas – Foto: Reprodução / TV Globo Alexandre Saraiva, Superintendente da PF no Amazonas – Foto: Reprodução / TV Globo

Relacionamento com Bolsonaro

Quanto ao relacionamento com Bolsonaro, afirmou “que o declarante não tem amizade com o Presidente da República ou com sua família”. Saraiva também disse que ele foi pesquisado pelo Ministério do Meio Ambiente em 2018 após a eleição de Bolsonaro.

Além da Saraiva, outras pessoas deram testemunho na investigação, entre elas Maurício Valeixo (ex-diretor geral da PF), Carlos Henrique Souza (ex-superintendente da PF no RJ) e os ministros Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Luiz Eduardo Ramos (Secretário de Governo).

Maurício Valeixo, por exemplo, disse que Bolsonaro disse que queria alguém com “maior afinidade” pelo trabalho.

Augusto Heleno, por sua vez, disse que era “natural” que o Presidente da República quisesse uma pessoa “próxima” no cargo.

Deputada Carla Zambelli e delegadas testemunham na PF

Mudança no PF

Bolsonaro demitiu Maurício Valeixo do cargo de diretor geral da PF em 24 de abril e nomeou Alexandre Ramage quatro dias depois. O ex-chefe de segurança de Bolsonaro, Ramage, é considerado “amigo” pelo presidente.

O PDT questionou a indicação, e o ministro do STF, Alexandre de Moraes, suspendeu o ato de Bolsonaro.

Com a suspensão, Ramage retornou ao cargo de diretor geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), e o delegado Rolando Alexandre de Souza, subordinado a Ramage em Abin, foi nomeado novo diretor geral da PF.

‘Missão’ na PF no Rio

Segundo o depoimento, Alexandre Saraiva disse na quarta-feira que o levantamento de seu nome para a Superintendência da PF no Rio de Janeiro “não tinha missão ou intenção de interesse específica ou específica” a Bolsonaro ou Moro, porque “se assim for, o declarante rejeite-o rapidamente “.

Ao anunciar sua demissão, Moro mencionou os momentos em que Bolsonaro tentou mudar o comando da PF no Rio de Janeiro.

Em comunicado, o ex-ministro disse que Bolsonaro lhe disse: “Você tem 27 superintendências, eu só quero uma”.

fonte: https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/05/13/delegado-que-chegou-a-ser-cotado-para-pf-do-rio-de-janeiro-diz-que-nao-tem-vinculo-com-bolsonaro.ghtml

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: