Ministro da GSI diz que é presidente ‘natural’ querer uma pessoa ‘próxima’ para liderar a PF

Ministro da GSI diz que é presidente 'natural' querer uma pessoa 'próxima' para liderar a PF
Em reunião, Bolsonaro relacionou a preocupação com a família à troca no FP
13 de maio de 2020
Ministro da GSI diz que é presidente 'natural' querer uma pessoa 'próxima' para liderar a PF
O Brasil tem 12.400 mortes e 177.589 casos confirmados de novos coronavírus, segundo o ministério
13 de maio de 2020

Ministro da GSI diz que é presidente ‘natural’ querer uma pessoa ‘próxima’ para liderar a PF

Ministro da GSI diz que é presidente 'natural' querer uma pessoa 'próxima' para liderar a PF

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, afirmou nesta terça-feira (12) que é “natural” que o Presidente da República queira uma pessoa “próxima” na Diretoria Geral da Polícia Federal.

Heleno testemunhou na investigação se o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir politicamente na PF.

“[Heleno disse] que o declarante [Heleno] acredita que é natural que o Presidente da República queira escolher uma pessoa próxima para exercer a Diretoria Geral da Polícia Federal”.

Em seu depoimento, Heleno também afirmou que: “A administração eficiente de Ramage na cabeça de Abin, comunicada pelo declarante ao presidente [Bolsonaro] em várias ocasiões, combinada com o histórico operacional de Ramage na Polícia Federal, contribuiu para o Presidente da República para eleger a nomeação de Alexandre Ramagem para a Diretoria Geral da Polícia Federal “.

Bolsonaro teria dito que queria mudar o PF para impedir que membros da família fossem prejudicados.

“Indo e vindo”

No depoimento prestado nesta terça-feira, Augusto Heleno disse que o processo de mudança do comando da PF foi marcado por “idas e vindas”.

Bolsonaro demitiu Maurício Valeixo do cargo de diretor geral da PF e nomeou Alexandre Ramagem, considerado “amigo” pelo presidente. O PDT questionou a indicação, e o ministro do STF, Alexandre de Moraes, suspendeu o ato de Bolsonaro. Ramage é o atual diretor geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Heleno declarou que: “Ele chegou a falar com o Presidente da República, bem como com o ex-ministro Moro, sobre a substituição de Maurício Valeixo por Alexandre Ramagem, percebendo pelas conversas que o processo era caracterizado por ir e vir, ou seja, dizer, em alguns momentos as informações chegaram ao declarante que Valeixo queria deixar para ocupar uma posição no exterior e que, por essa razão, o então ministro Moro teria aceitado a substituição por Ramage e, em outras ocasiões, pareceu ao declarante [Heleno ] que o ministro Moro não aceitaria a substituição “.

Segundo Augusto Heleno, Bolsonaro e Alexandre Ramagem são “amigos” desde que o delegado da PF assumiu a segurança do então candidato a presidente em 2018.

Bolsonaro diz que não citou as palavras Polícia Federal e Superintendente em reunião

22 de abril reunião

Segundo Sergio Moro, na reunião ministerial de 22 de abril, Bolsonaro exigiu uma mudança de comando da PF.

A gravação desta reunião foi enviada à Suprema Corte por ordem do Ministro Celso de Mello. O conteúdo foi exibido terça-feira a Moro, à Procuradoria Geral da República e à PF.

Quando questionado sobre o assunto, Heleno disse que: “Em relação à reunião de 22 de abril de 2020, cujos registros foram solicitados pelo Supremo Tribunal Federal, o declarante esclarece que, naquela ocasião, o Presidente da República geralmente acusava todos os ministros em a área de inteligência, também se queixou da falta de informações de inteligência que lhes foram transmitidas para apoiar suas decisões, marcando compromissos específicos sobre sua segurança pessoal, sobre Abin, sobre PF e sobre o Ministério da Defesa “.

Na terça-feira anterior, Bolsonaro falou sobre o vídeo. Ele disse que a gravação deveria ter sido destruída e que, na reunião, ele não mencionou as palavras “Polícia Federal”, “superintendente” ou “superintendente”.

Dados da pesquisa

Ao deixar o governo, Sergio Moro disse que outra tentativa de Bolsonaro de interferir na PF ocorreu quando o presidente exigiu acesso aos relatórios de inteligência da Polícia Federal.

Ao depor na terça-feira, Augusto Heleno disse que Bolsonaro “nunca” solicitou dados investigativos específicos.

fonte: https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/05/12/ministro-do-gsi-diz-que-e-natural-presidente-querer-pessoa-proxima-na-direcao-da-pf.ghtml

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: