Flávio Bolsonaro teria financiado a construção de prédios de milícias, diz Intercept

Flávio Bolsonaro teria financiado a construção de prédios de milícias, diz Intercept
Moro mostra a troca de mensagens em que Bolsonaro pede uma mudança no comando PF
25 de abril de 2020
Flávio Bolsonaro teria financiado a construção de prédios de milícias, diz Intercept
Moro compartilha a campanha do MJ: “o poder público não é uma empresa familiar”
25 de abril de 2020

Flávio Bolsonaro teria financiado a construção de prédios de milícias, diz Intercept

Flávio Bolsonaro teria financiado a construção de prédios de milícias, diz Intercept

PUBLICIDAD

Os documentos e dados recebidos pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) mudam o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) financiam e beneficiam a construção de edifícios construídos pela milícia estatal. Estas construções se referem a manobras irregulares, com o público público.

O site da Intercept Brasil obtém os documentos exclusivos. Três empresas constroem os edifícios com “dinero roto”. Para concluir esta conclusão, o MP-RJ confronta bancos de 86 pessoas que estão envolvidas no plano que irriga o negócio familiar da milícia.

As investigações apontam que o ex-capitão do Bope, Adriano da Nóbrega, designado como funcionário da Oficina do Crime, uma milícia especializada em assesinatos por ordem, fue qui recibir o dinero del “crack” e passar para a milícia. Antes, o ex-assistente de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, confiscou uma promessa de 40% dos salários dos empregados no laboratório de Alerj, onde trabalha Flávio.

Com mais detalhes, o esquema funcione da seguinte maneira:

Flávio pagou os salários dos empregados com o pressuposto da oficina de Alerj;

Queiroz confiscou em prometer 40% dos saldos dos clientes e cobrar parte do salário do ex-capitão do BOPE e do jefe da “Oficina do Crime”, Adriano da Nóbrega;

O diner se utiliza para construir edifícios irregulares nas comunidades do Rio das Pedras e Muzema, ubicadas em Jacarepaguá, no oeste do Rio de Janeiro. As favelas têm visto o desenvolvimento desenhadas na construção de edifícios irregulares nos últimos anos;

Os benefícios da construção e da construção de edifícios também são compartimentados com Flavio Bolsonaro, segun- do as investigações, por ser o financiador do esquema com o público público.

Madre y esposa

As investigações do crime organizado que os traslados desde a capela vão custar US $ 1 por Adriano da Nóbrega, Raimunda Veras Magalhães e sua esposa, Danielle da Costa Nóbrega. Ambos habitam comissionados no laboratório de Flávio Bolsonaro em Alerj, permanecendo entre 2016 e 2017. Ambos movem menos de R $ 1,1 milhão no período analisado pelo Ministério.

Naranjas

O grupo de milícias que trabalha nas comunidades do Rio das Pedras e Muzema usa o “naranjas” para registrar empresas de construção nas regiões. No Rio das Pedras, está sucedido com três ellos: Felipe Construção Civil Eireli, São Jorge Construção Civil Eireli e ConstruRioMZ. Consulte a continuação de um padrão de diálogo que mude o registro de um de ellos:

Adriano da Nóbrega e outros oficiais do primeiro ministro do grupo de milícias, o aposentado Maurício da Silva Costa e o prefeito Ronald Paulo Alves Pereira, usando os nomes dos moradores do Rio de Pedras para registrar as empresas de construção na junta de comércio de Rio de Janeiro. . Os dados da pesquisa para a The Intercept Brasil mudam de Adriano, Costa e Pereira para os “bens ocultos” das construções ConstruRioMZ, São Felipe Construção Civil e São Jorge Construção Civil.

As três empresas se registram na junta comercial na segunda-feira de 2018, respectivamente, também no número de Isamar Moura, Benedito Aurélio Carvalho e Gerardo Mascarenhas, conhecido como Pirata. As três “naranjas”, junto com os oficiais do PM Costa e Pereira, foram interrompidos na Operação Intocables, lançados no ano de 2019, como uma forma de cerrar o assédio da milícia sospechosa alistar e assesinos da concepção do PSOL Marielle Franco e maestro Anderson Gomes.

“Paica do tamaño de uma cometa”

“O MP está preparando um palo de tamaño de uma cometa para empujarnos”. A frase do ex-assistente de Queiroz, pronunciada nos áudios do Whatsapp publicado por periódicos O Globo e Folha de S.Paulo, em outubro de outubro, sempre implica que Queiroz sabe o que o MP usa o identificador que usa o diner malversado no esquema de contas que edifícios financeiros ilegales em Muzema e Rio das Pedras.

Boom en el bolsillo

A conexão de Flávio com a milícia, com respeito à construção de edifícios irregulares, questiona o salto financeiro que “Hijo 01” do Presidente da República, Jair Bolsonaro, túga na vida.

Flavio entrou na vida política em 2002, com um automóvel Gol 1.0, declarado por R $ 25,5 mil. Na última declaração de ativos, de 2018, o senador que pagou R $ 1,74 milhão. Ele permite que o congresso cerque a participação em uma franquia da chocolates Kopenhagen, assim como a aquisição de apartamentos nos bairros de Laranjeiras e Copacabana, na zona do Rio.

Respuestas

Tem a última atualização do relatório, os que estão habituados a comentar as acusações.

fonte: https://jornaldebrasilia.com.br/politica-e-poder/flavio-bolsonaro-financiou-construcao-de-predios-da-milicia-diz-intercept/

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: