Covid-19: estudo indica que a maioria das pessoas infectadas cria anticorpos

Covid-19: estudo indica que a maioria das pessoas infectadas cria anticorpos
Estados Unidos alertam para doença Covid-19 em crianças
15 de maio de 2020
Covid-19: estudo indica que a maioria das pessoas infectadas cria anticorpos
Os pesquisadores trabalham em uma máscara que acende com a detecção do Covid-19.
15 de maio de 2020

Covid-19: estudo indica que a maioria das pessoas infectadas cria anticorpos

Covid-19: estudo indica que a maioria das pessoas infectadas cria anticorpos

Covid-19: estudo indica que a maioria das pessoas infectadas cria anticorpos

Um estudo recente em um hospital de Nova York examinou 624 pessoas com covid-19 e descobriu que 99% desenvolveram anticorpos contra o novo coronavírus. Também é necessário verificar se esses anticorpos conferem imunidade suficiente para que alguém infectado não tenha a doença novamente.

O estudo, que ainda é preliminar e deve ser revisado por outros especialistas, sugere que a quantidade de anticorpos gerados é independente da idade, sexo ou gravidade da doença. Outro estudo na China com 175 infectados indica que pacientes com sintomas mais graves produzem mais anticorpos.

Especialistas americanos admitem que os pacientes atingem o pico de produção de anticorpos aproximadamente 15 dias após o início dos sintomas e sugerem que somente então devem ser realizados testes de imunidade. Esta pode ser a razão pela qual outros estudos, realizados precocemente, não detectaram anticorpos em pacientes.

A quantidade de anticorpos de um paciente está relacionada à capacidade do plasma de neutralizar o vírus, de acordo com o estudo do New York Hospital, publicado na revista Nature Medicine. Por esse motivo, o plasma dessas pessoas pode ser um dos tratamentos possíveis para outros pacientes.

Portugal, por exemplo, já começou a coletar plasma de pacientes recuperados para uso em ensaios clínicos. Os testes desenvolvidos no Mount Sinai Hospital, em Nova York, foram aprovados pela agência federal FDA e tinham menos de 1% de chance de produzir resultados falsos positivos, com um alto grau de confiabilidade.

Especialistas explicam que os anticorpos se ligam à proteína S, que o vírus usa para entrar nas células humanas, impedindo assim as reinfecções. No entanto, enfatizam que a quantidade de anticorpos necessários para a imunidade e se eles têm capacidade neutralizante suficiente ainda não foi determinada.

O estudo de Nova York é o maior até o momento, envolvendo um grande número de pacientes e usando o teste de anticorpos mais sensível disponível.

fonte: https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/mundo/online/covid-19-estudo-indica-que-maioria-de-infectados-cria-anticorpos-1.2245882

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: