Bolsonaro veta transferência de R $ 8,6 bilhões para estados e municípios para combater o coronavírus

Bolsonaro veta transferência de R $ 8,6 bilhões para estados e municípios para combater o coronavírus
Professor da UnB explica disputa entre EE. EUA e China na vacina covid-19
2 de junho de 2020
Bolsonaro veta transferência de R $ 8,6 bilhões para estados e municípios para combater o coronavírus
Bolsonaro veta o uso de R $ 8,6 bilhões em fundos extintos para combater o coronavírus
3 de junho de 2020

Bolsonaro veta transferência de R $ 8,6 bilhões para estados e municípios para combater o coronavírus

Bolsonaro veta transferência de R $ 8,6 bilhões para estados e municípios para combater o coronavírus

Bolsonaro veta transferência de R $ 8,6 bilhões para estados e municípios para combater o coronavírus

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro assinou, na quarta-feira, uma lei que extingue um fundo administrado pelo Banco Central, mas vetou a transferência de R $ 8,6 bilhões disponíveis naquele fundo para os estados e municípios.

Estabelecida pelo Congresso, a transferência de dinheiro para governadores e prefeitos teve como objetivo financiar ações para combater o novo coronavírus. O veto foi solicitado pelo Ministério da Economia e pelo Procurador Geral da União (AGU).

Contas públicas: o governo aumenta o limite para empréstimos estatais

Ao justificar o veto, Bolsonaro argumentou que o Congresso, ao alterar o destino final dos recursos derivados da extinção do fundo, viola o princípio constitucional que proíbe emendas parlamentares para aumentar os gastos em projetos por iniciativa exclusiva do Presidente da República.

Além disso, afirmou que a nova alocação do fundo não respeita a política de teto de gastos, que proíbe a criação de despesas obrigatórias para o Poder Executivo sem a declaração de impacto orçamentário e financeiro no ano atual e nos dois anos seguintes.

Solo fértil: na crise, o agronegócio conquista novos mercados e bate recorde de exportação

A medida provisória (MP) foi aprovada em maio. Extingue o Fundo de Reserva Monetária do Banco Central, criado em 1966 com receitas tributárias que não tinham finalidade pública. O destino do remédio para combater o coronavírus foi estabelecido durante a votação na Câmara.

Originalmente, o MP usava todos os ativos do fundo para pagar a dívida pública federal.

Klaus Schwab: Hora de uma grande redefinição, diz o fundador e presidente do Fórum Econômico Mundial

O Fundo de Reserva Monetária pretendia fornecer ao Banco Central uma fonte de recursos para intervir nos mercados de moedas e valores mobiliários. Parou de receber contribuições em 1988 e, em 2016, foi considerado irregular pelo Tribunal de Contas da União (TCU), que recomendou uma solução final para os fundos. O governo optou pela extinção.

O BC será responsável pela liquidação do fundo, cujos ativos estão principalmente vinculados a títulos do governo.

fonte: https://oglobo.globo.com/economia/bolsonaro-veta-repasse-de-86-bi-para-estados-municipios-combaterem-coronavirus-1-24460385

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: