Bolsonaro diz que o ministro estava “errado” e nega falar sobre a Polícia Federal na reunião

Bolsonaro diz que militares que receberam ajuda de emergência são "jovens em serviço obrigatório"
Bolsonaro diz que militares que receberam ajuda de emergência são “jovens em serviço obrigatório”
13 de maio de 2020
Risco político diminui o mercado de ações e pressiona o dólar
Risco político diminui o mercado de ações e pressiona o dólar
13 de maio de 2020

Bolsonaro diz que o ministro estava “errado” e nega falar sobre a Polícia Federal na reunião

Bolsonaro diz que o ministro estava "errado" e nega falar sobre a Polícia Federal na reunião

O presidente da República, Jair Bolsonaro, repetiu nesta quarta-feira (13) que não pronunciou as palavras “Polícia Federal” na reunião ministerial de 22 de abril, ao contrário do que o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretário de Governo) disse em comunicado sobre Terça. feira (12).

O conteúdo da reunião citada pelo presidente é analisado na investigação que está pendente no Supremo Tribunal Federal (STF) e investiga as supostas tentativas de Bolsonaro de interferir politicamente na Polícia Federal. Ramos testemunhou nesta terça-feira como parte da investigação (veja o vídeo abaixo).

Generais Braga Netto, Augusto Heleno e Luiz Eduardo Ramos dão testemunho

“Ramos estava errado. Mas, como é uma reunião, há o vídeo. Ramos, se ele disse isso, estava errado. Se ele disse isso”, disse Bolsonaro na quarta-feira.

No depoimento de terça-feira, quando questionado sobre a reunião, Ramos afirmou que: “Duas vezes ele ouviu o Presidente da República reclamar da necessidade de mais inteligência para a tomada de decisões e que, no entanto, na reunião de 22 de setembro, convocou Abin, as Forças Armadas, a Polícia Federal, a Polícia Militar dos estados e, se outros foram mencionados, ele não se lembra dele. ”

Embora apenas Ramos tenha sido citado na quarta-feira pelo presidente, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, também afirmou em comunicado que Bolsonaro falou em “Polícia Federal” na reunião.

Na entrevista de quarta-feira, Bolsonaro disse que não mencionou os termos “Polícia Federal”, “superintendência” e “investigação de crianças” na reunião.

Segundo o presidente, ele falou sobre a segurança da família, que é de responsabilidade do Escritório de Segurança Institucional (GSI) e não do Ministério da Justiça e Segurança Pública, que na reunião ainda estava sob o comando de Sergio Moro. Bolsonaro também disse que não falou o nome de Moro na reunião.

“Eu não disse o nome dele no vídeo (de Moro). Eu não disse o nome dele no vídeo. Não há palavra Sergio Moro. Cobri minha segurança pessoal no Rio de Janeiro. O PF não faz minha segurança pessoal, o GSI faz ”, afirmou. A Polícia Federal faz parte da estrutura do Ministério da Justiça.

Quando perguntado se ele sugeriu na reunião que substituísse os ministros da Justiça ou do GSI, o Presidente disse: “Ele está na cara. Quem faz a segurança? O ministro é Heleno. O ministro é Hellenus ”. O presidente se recusou a detalhar se considerava demitir Heleno.

Não há mais reuniões

Na quarta-feira, Bolsonaro disse que decidiu encerrar as reuniões do conselho de ministros, como a realizada em 22 de abril. Essas reuniões geralmente ocorrem a cada duas semanas, com a presença do presidente, ministros e outras autoridades.

Segundo o presidente, ele começará a tomar café da manhã com os ministros uma vez por mês e levará a bandeira nacional. Bolsonaro disse que, independentemente de encerrar as reuniões do conselho do governo, ele recebe alguns ministros todos os dias e continuará com as conversas individuais “para evitar esse tipo de problema”.

fonte: https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/05/13/bolsonaro-diz-que-ministro-se-equivocou-e-nega-ter-falado-de-policia-federal-em-reuniao.ghtml

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: