Bolsonaro disse que queria um nome com “maior afinidade” como chefe da PF, diz Valeixo

Bolsonaro disse que queria um nome com "maior afinidade" como chefe da PF, diz Valeixo
A revista médica diz que Bolsonaro é uma “ameaça à luta contra o Covid-19”
13 de maio de 2020
Bolsonaro disse que queria um nome com "maior afinidade" como chefe da PF, diz Valeixo
PF ‘número dois’ diz que não havia problema de produtividade no Rio
13 de maio de 2020

Bolsonaro disse que queria um nome com “maior afinidade” como chefe da PF, diz Valeixo

Bolsonaro disse que queria um nome com "maior afinidade" como chefe da PF, diz Valeixo

Mauricio Leite Valeixo (crédito: DENIS FERREIRA NETTO / ESTADÍO CONTEÚDO)

SÃO PAULO – O ex-diretor geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, afirmou em comunicado feito nesta segunda-feira (11) que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) queria alguém com “maior afinidade” a cargo da corporação e, portanto, quem o exonerou. do seu post.

A audiência durou pouco mais de seis horas e faz parte da investigação que investiga a suposta interferência do presidente na autonomia da Polícia Federal. Foi o primeiro de uma série de declarações que os pesquisadores coletarão com delegados, ministros e um deputado federal.

Como noticiou o jornal O Estado de S. Paulo, Valeixo disse, em seu depoimento, que Bolsonaro lhe disse que não tinha nada contra ele, mas que procurava um diretor com quem tivesse mais afinidade.

PROPAGANDA

No entanto, o delegado disse que o presidente nunca lidou diretamente com ele sobre a mudança de superintendentes e nunca pediu a ele acesso a relatórios de inteligência ou informações sobre investigações ou investigações policiais.

Valeixo foi exonerado nas primeiras horas de 24 de abril, episódio que culminou com a demissão de Sergio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Ao deixar o portfólio, o ex-juiz acusou Bolsonaro de tentar interferir com a Polícia Federal, pressionando para substituir o diretor-geral sem apresentar motivos claros. O mesmo teria acontecido na Superintendência do Rio de Janeiro.

Os discursos de Moro levaram a um pedido de abertura de uma investigação pelo Procurador Geral, Augusto Aras. As investigações foram autorizadas pelo ministro Celso de Mello, reitor do Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo o site do G1, Valeixo também afirmou que “assim que houver uma indicação com interesse sobre uma investigação específica, a interferência política, que não ocorreu em nenhum momento, seria caracterizada”, em sua avaliação.

Ainda segundo o portal, o ex-diretor também teria dito que Bolsonaro ligou para informá-lo que sua exoneração seria publicada como “sob demanda”, mas que “o pedido de exoneração não foi formalizado”.

fonte: https://www.infomoney.com.br/politica/bolsonaro-disse-que-queria-nome-com-maior-afinidade-no-comando-da-pf-diz-valeixo/

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: