Bolsonaro admite que ‘PF’ falou na reunião e que ‘interferência’ direcionada à segurança da família

Bolsonaro admite que 'PF' falou na reunião e que 'interferência' direcionada à segurança da família
Bruno Covas é hospitalizado por desconforto abdominal
14 de maio de 2020
Bolsonaro admite que 'PF' falou na reunião e que 'interferência' direcionada à segurança da família
O deputado propôs a Moro concordar com Bolsonaro sobre a vaga de ministro no STF: “cairá se o Sr. Sal ‘
15 de maio de 2020

Bolsonaro admite que ‘PF’ falou na reunião e que ‘interferência’ direcionada à segurança da família

Bolsonaro admite que 'PF' falou na reunião e que 'interferência' direcionada à segurança da família

Bolsonaro admite que ‘PF’ falou na reunião e que ‘interferência’ direcionada à segurança da família

Bolsonaro admite que disse “PF”, mas que a interferência foi na segurança da família

O presidente Jair Bolsonaro admitiu nesta sexta-feira (15) que falou a palavra “PF” na reunião ministerial de 22 de abril. No entanto, enfatizou que se posicionou para interferir em questões de segurança física para sua família, e não em inteligência. e investigações dentro da corporação.

Bolsonaro no início desta semana disse que não mencionou o termo “Polícia Federal” durante a reunião. A reunião ministerial é objeto de uma investigação aberta no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar as queixas do ex-ministro Sergio Moro de que Bolsonaro está tentando interferir politicamente na PF.

Ao deixar o Palácio da Alvorada, os jornalistas questionaram Bolsonaro sobre a palavra “PF” que aparece na transcrição da AGU, contradizendo a versão do presidente da reunião.

“Há a palavra PF, duas letras: PF”, respondeu o presidente.

Ao fazer novas perguntas sobre o assunto, Bolsonaro disse que quer que seus discursos no vídeo sejam divulgados publicamente, para que seja feita a interpretação “correta” da reunião.

“Espero que a fita seja divulgada publicamente, para que a análise correta seja realizada. A interferência não está neste contexto de inteligência, não. Está na segurança da família. É muito claro”, afirmou o presidente.

Quando um jornalista tentou perguntar se o ministro Augusto Heleno (Escritório de Segurança Institucional) se recusou a fazer uma alteração na segurança, já que o presidente alegou que ele ameaçou demitir o chefe de sua segurança e não o chefe da PF, Bolsonaro interrompeu o jornalista. duas vezes e a entrevista terminou.

Cabe ao GSI garantir a segurança do Presidente e da família, e não da Polícia Federal.

Na transcrição do vídeo da reunião, entregue pela AGU, Bolsonaro afirmou que tentou mudar “nosso pessoal de segurança no Rio”, mas sem sucesso. A transcrição mostra que Bolsonaro disse que se ele não fizesse a mudança, ele teria demitido o ministro; a transcrição não cita Helen ou Moro.

“Eu não vou esperar f. Toda a minha família suja, ou meu amigo, porque não posso mudar alguém de segurança no final da linha que pertence à estrutura. Isso mudará. Se você não puder mudar, mude de chefe. Se você não pode mudar de chefe. O ministro muda. Período. Não estamos aqui para jogar (…) “, diz um trecho da transcrição.

Divulgação de Vídeo

O relator do caso, ministro Celso de Mello, decidirá nos próximos dias se todo o conteúdo do vídeo será tornado público. Nesta quinta-feira (14), a Procuradoria Geral da República publicou a transcrição parcial da reunião, na qual o presidente aparece falando “POLÍCIA FEDERAL”. Bolsonaro reconheceu que o texto publicado pela AGU corresponde à realidade.

Bolsonaro defendeu que as partes em que ele fala sobre “questões relacionadas à política externa e segurança nacional” não são mostradas.

A defesa do ex-ministro Sergio Moro quer divulgação total.

Trecho publicado por AGU

Embora Bolsonaro diga que falou apenas sobre segurança da família, a manifestação da AGU entregue ao STF mostra que o presidente reclama da falta de informações da PF e declara que “irá interferir”. No entanto, a declaração transcrita parcialmente pelo governo deixa claro como o faria.

“E desculpe, nosso serviço de informações, pessoal, é uma vergonha, uma vergonha, não sou informado e não posso trabalhar assim, é difícil. Então vou interferir. Período, não é uma ameaça, não é extrapolação da minha parte. É verdade “, diz um trecho da transcrição fornecida pela AGU.

Negativos anteriores

No início desta semana, Bolsonaro disse na rampa do Palácio do Planalto que não pronunciou as palavras “Polícia Federal” na reunião.

“Esse vazamento está doendo. Não há palavra no vídeo ‘Polícia Federal’ ou ‘Superintendência’. Não há palavras ‘Superintendente’ ou ‘Polícia Federal'” “, disse o presidente na época.

Posteriormente, em testemunho da investigação, os ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria do Governo) e Augusto Heleno (Escritório de Segurança Institucional) disseram que Bolsonaro se referiu ao PF na reunião. Comentando especificamente o testemunho de Ramos, Bolsonaro disse que o ministro estava “errado”.

Entenda a importância do vídeo

A reunião gravada no vídeo acima foi citada em comunicado de Sergio Moro no contexto da investigação que investiga a suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal. Na reunião, o presidente exigiu a substituição do superintendente da FP no Rio de Janeiro para evitar uma investigação sobre os membros de sua família.

fonte: https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/05/15/bolsonaro-admite-que-falou-pf-na-reuniao-ministerial-mas-que-a-interferencia-nao-e-na-inteligencia-mas-na-seguranca-familiar.ghtml

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: