As baixas taxas de juros dependem da retomada da âncora fiscal

As baixas taxas de juros dependem da retomada da âncora fiscal
A demanda global por petróleo ainda não atingiu o pico, diz AIE
25 de maio de 2020
As baixas taxas de juros dependem da retomada da âncora fiscal
23 de março: por que esse foi o dia mais marcante da crise para um dos maiores investidores brasileiros
25 de maio de 2020

As baixas taxas de juros dependem da retomada da âncora fiscal

As baixas taxas de juros dependem da retomada da âncora fiscal

As baixas taxas de juros dependem da retomada da âncora fiscal

(Imagens falsas)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, e sua equipe estão perdendo a âncora fiscal e agora buscam recuperar o controle do volante do navio com o lançamento de medidas pós-pandemia.

O mercado considera que o controle da chamada âncora fiscal, um conjunto de regras e ações que possibilitam apontar, no futuro, a sustentabilidade das contas públicas, é essencial para o ministro permanecer no cargo e manter o cargo. interesse básico em um nível baixo.

A aliança de líderes de Centrão com a ala militar do governo Bolsonaro, no entanto, aponta para uma revisão da orientação do modelo de ajuste fiscal adotado até agora pelo Ministério da Economia.

PROPAGANDA

Analistas indicam que quando o mercado perder a confiança no ajuste e liberar a “mão” que apoia Guedes, o presidente Bolsonaro poderá abrir espaço para o grupo de desenvolvimento do governo, como fez com outros ministros.

Na pandemia, as dúvidas sobre o futuro do Brasil já fizeram com que o país se separasse negativamente de outros países emergentes, como mostram indicadores como risco do país e taxa de câmbio. O Ministério da Economia não fala publicamente sobre a perda da ancoragem fiscal.

A posição foi reforçar a importância do teto de gastos (regra que impede o crescimento dos gastos acima da inflação), mas a pressão para aumentar as políticas expansionistas adotadas na pandemia aumentou as dúvidas e deixou a trajetória sem resposta. futuro da dívida pública. nos próximos anos.

Técnicos experientes do Ministério da Economia, ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo, já estão falando em particular sobre a perda da âncora fiscal com uma dívida superior a 90% do PIB, nunca alcançada antes e sem perspectivas de estabilização. menos do que cair nos próximos anos. O problema, dizem os técnicos, é que não há nada na agenda no momento que indique que essa situação vai mudar.

A nova previsão da equipe econômica, publicada na sexta-feira, indica que a dívida bruta do governo geral chegará a 93,5% no cenário de queda de 4,7% no PIB com o qual o Ministério da Economia trabalha. A queda pode ser maior e a dívida também pode aumentar.

“O mercado ainda não jogou a toalha que acabou com a âncora fiscal do país. Mas sou mais pessimista e atribuo uma chance maior de perdê-lo”, diz Fabio Akira, economista-chefe da BlueLine Asset.

PROPAGANDA

O coordenador do observatório fiscal da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Manoel Pires, estima que há um grande medo de desenvolvimentos futuros. “Como o governo desistiu de ter uma meta fiscal para contas públicas até 2021, ninguém sabe qual resultado será buscado”.

Para o diretor executivo da Instituição Tributária Independente, Felipe Salto, o governo deve se preparar para ativar os gatilhos (medidas de ajuste, principalmente nos custos com pessoal) para corrigir o teto, com grandes possibilidades de quebra em 2021. “Temos uma reunião marcada com regras fiscais no próximo ano “.

Segundo ele, o teto é um quebra-cabeça não resolvido, pois será impossível para a máquina operar com despesas discricionárias (o pagamento não é obrigatório) em um nível tão baixo. “Falta alguém para colocar ordem. Como eles gostam de ordem, pelo menos nos diga quais são os objetivos fiscais”.

O alerta feito na semana passada pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reverberou. Ele afirmou que o Brasil não possui muita margem nas contas públicas e que, se o mercado acreditar que a expansão dos gastos será permanente, punirá o país e “voltaremos ao antigo saldo de altas taxas de juros”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

fonte: https://www.infomoney.com.br/economia/juros-baixos-dependem-de-retomada-de-ancora-fiscal/

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: