Analistas veem o impeachment de Bolsonaro improvável, mas as reformas minaram

Analistas veem o impeachment de Bolsonaro improvável, mas as reformas minaram
Coronavírus: os reais e dramáticos impactos econômicos e sociais
13 de maio de 2020
Analistas veem o impeachment de Bolsonaro improvável, mas as reformas minaram
A revista médica diz que Bolsonaro é uma “ameaça à luta contra o Covid-19”
13 de maio de 2020

Analistas veem o impeachment de Bolsonaro improvável, mas as reformas minaram

Analistas veem o impeachment de Bolsonaro improvável, mas as reformas minaram

(Foto: Marcos Corrêa / PR)

SÃO PAULO – O conjunto de crises que envolveram o governo de Jair Bolsonaro, desde o agravamento da nova pandemia de coronavírus até as acusações do ex-ministro Sérgio Moro de interferência na Polícia Federal, trouxe ao noticiário diário a possibilidade de abertura do impeachment contra o presidente.

Embora hoje os analistas políticos vejam o risco de encurtar o mandato presidencial como um cenário menos provável, acredita-se que a nova estrutura possa representar desafios inesperados à continuação de uma agenda de reformas econômicas, mesmo na expectativa de uma estrutura mais fiscal. desfavorável. depois da crise.

Na lista de preocupações do presidente estão investigações contra familiares e aliados políticos, como casos de investigação de notícias falsas, que estão sendo processados ​​no Supremo Tribunal Federal (STF) e cujo objetivo é o conselheiro Carlos Bolsonaro (republicanos-RJ); e a suposta prática de “cracking” do atual senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

PROPAGANDA

Também estão abertas ao Palácio do Planalto as investigações abertas sobre manifestações antidemocráticas, participadas pelo próprio presidente. Além das descobertas de que Bolsonaro havia tentado interferir politicamente com a Polícia Federal, pressionando para eleger o superintendente do Rio de Janeiro e o CEO da corporação.

No campo político, o crescimento de casos e mortes causados ​​pelo Covid-19 no país contrasta com a minimização da doença e as críticas enfáticas feitas pelo Presidente às políticas de isolamento social adotadas pelos governadores e prefeitos, que já rendeu-lhe as duras críticas ao eleitorado. e uma perda de apoio popular.

Em vista dos maiores riscos ao seu mandato, Bolsonaro fez uma jogada arriscada para trazer o chamado “centão”, um grupo de partidos que concentra uma parte significativa dos assentos na Câmara. Em troca de apoio parlamentar, o governo começou a negociar a distribuição de postos da administração pública.

A medida permitiria ao presidente criar um nível de apoio capaz de rejeitar solicitações de impeachment no Congresso Nacional ou a abertura de ações judiciais por um crime comum no Supremo Tribunal Federal. Nos dois casos, Bolsonaro só precisa garantir 172 votos em um universo de 513 deputados federais.

“A dramática onda de eventos que levou à renúncia do ministro da Justiça, Sérgio Moro, definitivamente colocou a acusação no cenário político”, observa Christopher Garman, diretor das Américas na consultoria de risco político Eurasia Group.

O especialista, no entanto, atribui uma probabilidade de 25% a um impeachment presidencial. Ele afirma que, apesar da recente piora na avaliação da sociedade pelo governo, Bolsonaro tem o apoio de uma parcela significativa do eleitorado.

PROPAGANDA

Nesta semana, a pesquisa XP / Ipespe mostrou que o presidente é avaliado positivamente por 27% dos brasileiros. Avaliações negativas somam 49%. Os números são os piores da série com Bolsonaro, mas ainda são muito superiores aos níveis alcançados por Fernando Collor de Mello e Dilma Rousseff quando caíram.

Embora seja difícil estimar um nível de risco de impeachment observando os níveis de aprovação presidencial, Garman acredita que Bolsonaro hoje tem uma “gordura” de cerca de 15 pontos percentuais, o que não seria facilmente perdido.

“Acreditamos plenamente que a pandemia, uma sucessão de notícias no campo da pesquisa e uma crise econômica na segunda metade do ano devem reduzir esses números”. Mas, dada a resistência de sua base, nossa aposta é que cairá para a faixa de 20% em vez de menos de 15% ”, avalia.

Se o declínio for mais pronunciado e as taxas de aprovação atingirem o nível de risco, Garman aponta para a nova pandemia de coronavírus como o principal fator. Para o especialista, a doença se tornou a principal variável política para o futuro do governo.

“Se a pandemia no Brasil continuar se deteriorando mais significativamente nos próximos meses, e os sistemas de saúde pública em grandes estados, como São Paulo e Rio de Janeiro, entrarem em colapso, o presidente poderá ser responsabilizado”, diz ele. Ele acredita que, se Bolsonaro for impeachment, é mais provável que isso aconteça no segundo semestre.

Garman também aponta para uma situação complexa no parlamento para a abertura de um processo de impeachment. Para ele, três fatores jogam a favor do presidente: 1) a falta de interesse dos congressistas em iniciar um processo durante os piores meses da pandemia; 2) preocupação com as repercussões do que seria a segunda acusação consecutiva de um presidente eleito; 3) preocupação com um governo liderado pelo vice-presidente Hamilton Mourão.

“O governo Bolsonaro está em desordem. Ainda não é certo que esteja caminhando para um fim precoce, mas se sobreviver, provavelmente será diferente do que tem sido desde o seu início”, escreveu o analista político Ricardo Ribeiro, do MCM Consultores. uma semana atrás. Nesse momento, o especialista acreditava no risco de encurtar o prazo em até 50%.

Hoje, a probabilidade subjetiva atribuída por ele voltou a estar entre 30% e 40%. A queda se deve aos altos níveis de popularidade de um processo dessa natureza e à decisão da liderança militar do Planalto de fortalecer o apoio ao presidente.

Na prática, a percepção é de que não há condições políticas no momento para o impeachment, um longo processo que exige esforços para articular atores políticos relevantes. Mas os riscos ainda estão sendo monitorados.

“O nível ainda alto de possibilidades de impeachment decorre dos riscos relevantes à frente de Bolsonaro. Uma delas é justamente a vontade do STF de reforçar o cerco contra ele ”, reflete.

“Combinado com a propensão de Bolsonaro a reagir com alvoroço quando sob pressão, a escalada da epidemia, cuja gravidade ainda é desprezada pelo presidente, e a reação corporativa da PF, a ebulição do ambiente político pode aumentar novamente”, ele acrescenta.

Reformas comprometidas

Justamente quando Ribeiro vê mudanças significativas no governo devido a crises recentes, Garman acredita que o cenário mais provável é o de um presidente enfraquecido, o que tende a dificultar a retomada de uma agenda de reformas econômicas.

“Tudo isso sugere que o cenário mais provável para o Brasil no próximo ano é um presidente enfraquecido, mas não derrubado. Do ponto de vista da formulação de políticas e reformas, esse é provavelmente o pior equilíbrio”, conclui.

No parlamento, aumentou a percepção de que a saída da crise dependerá de uma participação decisiva dos investimentos públicos. Uma espécie de Plano Marshall pós-guerra gerado pelo Covid-19, um pensamento que já se tornou a maioria da população.

De acordo com uma pesquisa XP / Ipespe, 62% dos brasileiros argumentam que a melhor maneira de recuperar a economia após a pandemia seria baseada em uma mudança na política econômica, ampliando o investimento público. Outros 29% apóiam a manutenção das diretrizes atuais, reduzindo os gastos públicos e expandindo a participação privada.

“O Congresso acabará refletindo um pouco dessa disposição da população. A direção que ouvimos dos parlamentares é que um estado mais presente será necessário para a retomada”, diz o analista político Paulo Gama, da XP Investimentos.

Para ele, esse pensamento é generalizado entre os parlamentares e será difícil para o governo mudar a direção da agenda mesmo depois de superar o momento mais agudo da crise da saúde.

“O clima não será muito [favorável] para isso. Seria necessária uma forte convicção do governo e um relacionamento um pouco mais estruturado [com o parlamento]. Agora que o modelo, no governo Bolsonaro, de abrir espaços em troca de apoio foi inaugurado, será difícil para esses mesmos partidos aceitar o papel de um congresso reformista, que promove reformas apesar do presidente “, conclui.

fonte: https://www.infomoney.com.br/politica/analistas-veem-impeachment-de-bolsonaro-improvavel-mas-reformas-prejudicadas/

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: