Aos 85, o historiador teve que vender a camisa para manter Pele Museu

Aos 85, o historiador teve que vender a camisa para manter Pele Museu
Marin O ex-presidente da CBF ganhou liberdade nos EUA devido à pandemia de coronavírus
31 de março de 2020
Aos 85, o historiador teve que vender a camisa para manter Pele Museu
Caixa bilionário FIFA usadas para criar fundo de emergência e ajudar o mundo do futebol
31 de março de 2020

Aos 85, o historiador teve que vender a camisa para manter Pele Museu

Aos 85, o historiador teve que vender a camisa para manter Pele Museu

Aos 85, o historiador teve que vender a camisa para manter Pele Museu


Foi uma viagem no final de 2007. Naquele dia, há 13 anos, uma criança veio pela primeira vez em Alagoas Sports Museum, que fica dentro Pele Stadium. Esta é a maior coleção do futebol no estado, com mais de 10.000 itens. No interior, este mesmo menino conheci um senhor chamado Lauthenay Perdigão. Jornalista, Lauthenay único responsável por manter a sala onde alguns dos objetos mais importantes no futebol brasileiro 27 anos são salvos. Ao ouvir as histórias que são contadas, especialmente sobre Dida, Alagoas homenageado com o nome do museu e o segundo artilheiro Flamengo, o rapaz decidiu se tornar um jornalista e é agora um dos Reporter.

Tudo começou na década de 40, quando era Lauthenay a pedido de seu pai ao mercado. No supermercado, vi um homem rasgar páginas de uma revista para alimentar o envelope. Quase como se tivesse testemunhado um crime, Lauthenay decidiu salvar esta edição da Sports Illustrated, Rio, e começou a recolher-lo. Não parou mais. Profissionalmente, Lauthenay teve que desenvolver nas primeiras horas do dia para entregar todos os seus planos. Ele confiou a corrida por 34 anos, trabalhando sempre no segundo semestre. Na parte da manhã, a investigação; entre aperitivos, vieram a seguir uma história. Ele tinha a amizade de líderes para isso. Nas últimas horas, ainda ela percebeu trabalho como uma emissora.

Dalí tinha que continuar procurando quartos e encontrou apenas o espaço que ainda é válido hoje, em 1993, proposto pelo Governo de Alagoas. Em entrevistas, Lauthenay até mesmo piadas: não fazer o trabalho, mas não pagar por espaço. Um dos objetos armazenados com carinho é a camisa Pelé, que se apresentou após a inauguração do estádio no jogo entre Santos e Seleção de Alagoas, em 1970. arrependimento indivíduo foi em 2004, com vazamentos nas paredes, Museu do Esporte não podia continuar. Foi difícil manter o acervo e houve um grande temor de que os materiais foram perdidos. Lauthenay precisava de uma solução, porque o dinheiro não foi suficiente para.

Fonte, UOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: