Coronavírus: uma mulher brasileira que vive no Japão diz que o país tem parques vazios pela primeira vez na flor de cerejeira; ver relatórios

Coronavírus: uma mulher brasileira que vive no Japão diz que o país tem parques vazios pela primeira vez na flor de cerejeira; ver relatórios
Casos de coronavírus e número de mortes no Brasil em 26 de abril
26 de abril de 2020
Coronavírus: uma mulher brasileira que vive no Japão diz que o país tem parques vazios pela primeira vez na flor de cerejeira; ver relatórios
Ceará compra 90 toneladas de EPI e testa diretamente da China
26 de abril de 2020

Coronavírus: uma mulher brasileira que vive no Japão diz que o país tem parques vazios pela primeira vez na flor de cerejeira; ver relatórios

Coronavírus: uma mulher brasileira que vive no Japão diz que o país tem parques vazios pela primeira vez na flor de cerejeira; ver relatórios

Cuenta brasileira é a vida em japones em tempos de coronavírus

Este mês de abril, no Japão, é a primeira vez que a brasileira Cristina Kiyono tem alguns parques de férias durante a flor de cerejeira, em um dos países nacionais do país. O motivo? A pandemia de coronavírus que está liberando o mundo.

Desde que qualificou a terra dos anteparos para viver e trabalhar com mais de um ano, a trabalhadora nunca viu vistos no Japão japonês proibir os piqueniques tradicionais, debatendo os lugares de sakura.

Pero a determinação de vaga no hanami, o número que registra o festival no Japão, uma das medidas adotadas pelas autoridades orientais para evitar multidões de pessoas. Y, desta maneira, contém o avanço do vírus no arquipélago.

“Este ano está proibido proibir um piquenique para reunir todos”, diz Cristina, de 44 anos, dos últimos que viveu em Echizen, na província de Fukui (veja mais no vídeo de arriba).

Em Nishiyama Koen, um parque na cidade de Sabae, por exemplo, dados que têm os campistas tradicionais tradicionalmente disputados e, devido a uma sensação de férias, com menos pessoas caminhando. Cristina también dijo that escuchó que mismo sucedió en otros parques in Japón.

Cartel no parque da cidade de Sabae, no Japão, informações sobre a ação contra o coronavírus. Cerezos no fundo. Agora, o governo proíbe os piqueniques tradicionais devolutos dos arboles – Foto: Divulgação / Arquivo pessoal

O estado de emergência não permite as autoridades japonesas, como impostores confinados restritos como outros países, mas também recebe os governos regionais, a possibilidade de insistir em que a permanência permanente na casa e a seleção temporária de estabelecimentos comerciais não são permitidas.

Entre em um estado de emergência, bares, cassinos, cines, escuelas, museus e parques de atrações que estão suspensos temporariamente.

Cristina, que tem o apodo de Tijuro, continua a trabalhar na empresa, em uma fábrica de componentes eletrônicos, além de usar uma máscara, um pouco de álcool e um gel.

Nacida em Campinas, no interior de São Paulo, a engenheira é uma das inúmeras pessoas que abandonam o estado e o Brasil em busca de países em outros países. Em Japão, se hospede na empresa de trabalho. Você agora está lidando com a família, no outro lado do mundo, com um paciente que se estendeu rapidamente por todo o planeta.

“O 85% da população [japonesa] obedece à cidade”, dados Tijuro, quena cuenta com a ayuda da comunidade brasileña en Echizen, quienes se intercambian información.

Cristina Kiyono usa uma máscara para lavar a casa em Japão – Foto: Divulgação / Arquivo pessoal

Brasileños no extranjero

G1 também inclui outros dispositivos que podem ser armazenados em vídeos ou fotos, como as situações nos Estados Unidos, México, Itália, Inglaterra e Áustria (verifique a continuação).

Estados Unidos

Pareja dados da Brasileira que mostram máscaras cada vez que salen de casa nos EE. UU.

Esse é o cenário mais aterrador que Rogério e Marília Negrão informaram que estão sendo tomadas medidas para proteger-se com seus hijos, um adolescente e um menino.

O executivo de 46 anos e advogado de 45 anos vive em Troy, Michigan. Segundos, uma das regiões mais afetadas pelo coronavírus.

“Siempre está tratando o tratamento da máscara”, dados Rogério, busca local, junto com a mulher, estabelecer atividades que podem restaurar parte da rotina que os pacientes antes da pandemia.

“Também incluem exercício, camelo, andar de bicicleta e andar de bicicleta, o que faz com que seja importante durante esse período de cuententena”, dados Marília, bairro de São Bernardo do Campo, no distrito de Gran São Paulo, com exposição . y niños

México

Cuenta brasileira é sua família vívida no México em uma pandemia

O hermano de Rogério, o diretor Fábio Negrão, de 49 anos, vive com sua esposa e seus três filhos na capital do México. O país declara uma emergência de débito debitado na propagação da enfermaria a multas de mercado, com a contenção de 1.094 infectados e 28 mudas.

“Identificar a percepção de pessoas infectadas no México é o prefeito de quem as informa”, diz Fábio, que também procura o mecanismo de busca social junto à família.

O contato com amigos brasileiros que vivem na Cidade do México realiza a passagem pela Internet, usando um aplicativo de telefone celular, enviando fotos, escrevendo frases motivadoras ou conversando com ellos em salas de bate-papo por vídeo.

Italia

Marcelo Nascimento vive na Itália – Foto: Divulgação / Arquivo pessoal

O amigo de Cristina, que está em Japão, também em Campinas, Marcelo Nascimento assinou outro contrato com a Itália. Casado com uma mulher italiana, o arbusto de 42 anos vive em Mestre, na província de Veneza.

Para uma tiesta de comestíveis donde vende frutas, se você preferir amanhecer e for obrigado a devolver um documento que autorize a abandonar o departamento de trabalho.

“Um cliente cliente que mora na causa de Covid-19”, lamenta Marcelo. A Itália é um dos países com mais vítimas fatais da doença no mundo.

Tem estas medidas (22), o total de pontos mais de 25 mil. O número total de casos confirmados oficialmente desde o vencimento da pandemia em 189.973, o maior número mundial, detrás dos Estados Unidos e Espanha.

Pero algunas noticias como a recuperação de centenarios ancianos que determinam enfermos ou incluso mensajes que se decodificar no vecindario animan al brasileño y le pera esperanza de quem esta alarmante situación.

“Aqui você encontra cartuchos de jarra com mensajes, como ‘todo estar bem'”, diz Marcelo.

Modelo Nathália Kihara Eugênio com seu nome Lucca: cidade na Lombardia, Itália, em uma das regiões mais afetadas pelo vírus da hepatite – Foto: Reprodução / Arquivo pessoal

Todavía na Italia, modelo Nathália Kihara Eugênio, de 33 anos, que vive em Como, na região da Lombardia, dados que obrigam o obituário a residentes a usar máscaras e guantes que cuidam de homens e mulheres que compram alimentos ou roupas.

Além disso, os policiais usam drones para monitorar os destinos dos habitantes, que serão os mecanismos que afetam as autoridades.

“O princípio de assistir a um filme de ficção científica, assistir a filmes, a tecnologia está sendo ouvida”, revela Nathália sobre o uso de drones para monitorar os residentes da cidade onde vive na Itália.

Além disso, os infectados não podem ser tratados na rua: deben ser puestos em cuententia ou ingressados ​​em um hospital.

“Se ele é um vírus, você deve pagar uma multa que pode atingir os 3 milhões de euros (equivalente a R $ 17 milhões) e outros três meses de prisão”, segundo o modelo.

Ella dice that sorprendió by the number of muertos that vio. “Uma pessoa que me impactou muito em ver vários camiones do exército que levaram uma granada de cuerpos. Fue um choque de concordância verdadero “.

Para a brasileira Fabiana Britto, de 31 anos, casada com o problema de comunicação social, perdi as ligações está deserta – Foto: Archivo personal / Divulgação

A ex-BBB Italia, Fabiana Britto, de 31 anos, viveu em Milão durante um ano e meio, por exemplo, na cidade de Verano, dificultando o relacionamento social.

“Não ele salta da casa desde os 20 de fevereiro. Não é mais conveniente. Cuidar com a cuentena, a hacker frío, o tempo todo tem muito calor, as días dos hermosos e estamos adentro”, dados.

No final de março, o alcano de Milão, Giuseppe Sala, admitiu ter cometido um erro ao exibir a campanha “Milão não se detém”, que fez a cidada que não detecta as atividades de pandemia de coronavírus na Itália.

Inglaterra

Em Londres, o governo adotou um aplicativo lhamada C-19 para monitorar a população, segundo o Israel Israel Cassol – Foto: Arquivo / divulgação pessoal

Todavía na Europa, exatamente na Inglaterra, o fashionista Israel Cassol, de 38 anos, dados do governo britânico adotou um aplicativo C-19.

“Se você responder que não está bem, responderá outras perguntas que já estão em um momento em que alguém está em sua casa para receber e receber a prorrogação final no hospital”, informa o braseiro que vive em Londres.

Se você encontrar um exame realizado no Reino Unido, 51% das pessoas hospitalizadas em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) sofrerão uma causa da doença.

Há mais de 17.337 pessoas no Reino Unido na causa de Covid-19. O número de pessoas infectadas no dia 114.217 foi registrado no sábado (18).

Áustria

Em Voralberg, Áustria, o tradutor e intérprete Felipe Simon está haciendo uma oficina na casa; Quando os clientes acessam o mercado apenas com uma máscara, o estabelecimento fornece, e cada pessoa deve usar um carro de compras individual – Foto: Arquivo / divulgação pessoal

Em Voralberg, Áustria, o tradutor e intérprete Felipe Simon, de 38 anos, escreve dados sobre os clientes que estão ingressando no mercado com uma máscara, que estabeleceu o mecanismo de uso, e cada pessoa deve usar um carro de compras individual, inclusive ele está junto. Todo por culpa do coronavírus.

“As pessoas parecem estar conscientes do controle e manutenção da distância de outros”, diz Felipe. “As chamadas não estão completamente reservadas, permanecem na primavera e na primavera e essa região normalmente fica próxima às pessoas na rua, todo está realmente vazio”.

fonte: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/04/25/coronavirus-brasileira-que-mora-no-japao-diz-que-pais-tem-parques-vazios-pela-1a-vez-na-florada-das-cerejeiras-veja-relatos.ghtml

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: