Você conhece alguém que sofre de nomofobia?

Você conhece alguém que sofre de nomofobia?

Eu ando até a cadeira com um livro na mão e vou, a propósito, o telefone celular longe do meu alcance. Por um tempo, sinto -me aliviado, nada sério pode realmente acontecer. Eu tento pensar que ninguém depende exclusivamente da minha resposta imediata.

Devo admitir que nunca baixei o aplicativo mágico que mostra meu tempo de conexão nas redes sociais por medo de ver minhas horas online. Obviamente, essa idéia de sentir que há um objeto em que depende do meu estado emocional aumentou durante o confinamento.

O uso que fornecemos ao nosso dispositivo móvel é diversificado, por exemplo, de acordo com a AMPCI (Internet Association) em seu estudo em 2019 “Usuários da Internet” no México, o diário investido em plataformas e dispositivos em usuários é de 8 horas com 20 minutos. Esse número aumentará em comparação com 2020 durante o período de contenção estrita?

De acordo com o relatório, um usuário médio passa quase 7 horas por dia na Internet em todos os dispositivos que você usa, o que equivale a passar mais de 2 dias on -line em uma semana.

De acordo com o mais recente relatório digital 2021, “Relatório Digital Global Aperview” sobre redes sociais publicadas por We Are Social and Hootsuite, do número total de pessoas em todo o mundo, 66,6% já usam um telefone celular, que representa 5.220 milhões de pessoas. Crescimento significativo nas redes da Internet e sociais (4.200 milhões de usuários em todo o mundo, equivalente a mais de 53% da população mundial) durante 2020, o que pode ser atribuído ao confinamento por Covid -19.

No entanto, eu sei que muitas pessoas não vivem dessa maneira, algumas pessoas vivem mais despreocupadas do que eu e outras que sofremos de um tradutor que mudou sua maneira de vincular ao universo.

De acordo com o contexto, o termo foi dado depois de divulgar os resultados de uma pesquisa (e não um estudo científico) segundo o qual o escritório postal do Reino Unido comandou o Yougob (empresa dedicada a estudos de mercado e pesquisas), na ansiedade sentidos por usuários de smartphones.

Segue -se da frase em inglês e não da fobia do telefone celular ou da fobia para não ter um telefone celular. A nomofobia é um novo termo que é apresentado como o medo irracional que os usuários podem sentir porque não têm seu smartphone, que pode ser por várias razões, como a bateria, sem cobertura, esquecida em casa, exaustão, exaustão de equilíbrio, quebras ou quebras ou decomposições ou foram perdidas ou roubadas.

Discutimos com Laura Jhomara Valdés Sosa, formada em psicologia clínica, especialista em tecnologia de inovação e educação e co-fundadora da Epadi, Clínica de Saúde Emocional, que fornece psicoeducação e gera uma consciência coletiva.

Segundo a página de Epadi, a nomofobia é um distúrbio que sofre, sem saber, pelo menos metade da população. Uma doença independente até o momento em que as sensações de ansiedade quando vemos uma possível desconexão do telefone celular.

Depois que a pessoa está procurando ajuda e acredita que pode controlá -lo, como entendemos que o uso celular deixou de ser um mau hábito? O que indica que oferecemos uma boa utilidade?

O primeiro e mais importante passo não é o auto-diagnóstico. A psicoeducação é usada para ter referentes e pedir ajuda se considerarmos que não temos os recursos para poder lidar com o desconforto que estamos enfrentando.

Os sintomas que podem ser sentidos são ansiedade excessiva, nervosismo, taquicardia, pensamentos obsessivos, dor de cabeça e estômago e, em alguns casos, até ataques de pânico. Lembre -se de que os sintomas também podem variar de pessoa para pessoa.

Que sintomas podem ser apresentados para entender que ele é o nome do nome?

Embora seja importante observar que os resultados desta pesquisa não são completamente confiáveis, porque eles não consideraram os critérios clínicos ou psicológicos para caracterizar um certo desconforto como fobia.

Das 2.163 pessoas entrevistadas, 55% responderam que o principal motivo de sua ansiedade era que não podiam usar o telefone celular para se comunicar com a família ou os amigos.

Os resultados obtidos foram que quase 53% geralmente estão ansiosos quando perdem o telefone celular, quando não há redes, quando você não tem bateria ou sem crédito.

Para começar, temos que saber o que é um mau hábito. Podemos entendê -lo como um comportamento repetitivo que pode afetar consideravelmente a qualidade de vida e, às vezes, causar desconforto para as pessoas ao seu redor.

As causas dessa condição podem ser diversas, por exemplo, de nomofobia, que sabemos que o FOMO também pode ser destacado (“medo de se perder”) ou Phubbing ou Ninggufoneo (ignore outras pessoas pelo uso do telefone). E se assim for, deixe -nos saber que é algo que nos causa problemas ou desconforto é o primeiro passo para encontrar a ajuda de que precisamos.

Deve -se lembrar que não há fórmulas mágicas, ou tratamentos genéricos, sua história e seu contexto são essenciais para entender o motivo do comportamento e se é adaptável ou não.

Parece -me que, mais do que um uso saudável, é importante dar uso responsável ao smartphone. Por exemplo, procure ter uma vida social fora do telefone e com contato físico de tempos em tempos, para configurar notificações, isto é, desativar distratores durante certos períodos, evitar insônia e fadiga dos olhos, ou seja, evite usar seu seu Telefone 30 minutos por alguns minutos antes de dormir e essa não é a primeira coisa que você vê quando acorda, um dia dedica à sua atividade favorita que não implica o uso do seu telefone.

Como a contenção afetou o uso do telefone celular?

A realidade é que, de acordo com o confinamento, o uso do smartphone aumentou porque nos permitiu continuar a “pertencer”. O smartphone passou de um “acessório” para ser essencial, nossos empregos exigiam um canal de comunicação que se atenda ao telefone celular 24/7, caso houvesse algo “urgente” para participar.

Você acha que é algo geracional?

Parece -me que, além de ser algo geracional, também era situacional, porque, como indicado acima, o confinamento nos permitiu explorar um ambiente virtual que, embora não seja completamente desconhecido em muitos, não muito explorados.

fonte: https://www.vice.com/es/article/pkbmmy/conoces-a-alguien-que-padece-de-nomofobia

Os comentários estão encerrados.