Trabalhar e a exposição ao coronavírus: Ambos os lados da oferta de vagas na área da saúde

Trabalhar e a exposição ao coronavírus: Ambos os lados da oferta de vagas na área da saúde
Planos do governo japonês para declarar um estado de emergência devido ao coronavírus
6 de abril de 2020
Trabalhar e a exposição ao coronavírus: Ambos os lados da oferta de vagas na área da saúde
Saque do FGTS para novas contas ativas e inativas de R$ 1.045
8 de abril de 2020

Trabalhar e a exposição ao coronavírus: Ambos os lados da oferta de vagas na área da saúde

Trabalhar e a exposição ao coronavírus: Ambos os lados da oferta de vagas na área da saúde

Trabalhar e a exposição ao coronavírus: Ambos os lados da oferta de vagas na área da saúde

Chamadas deste tipo encontrado em grupos no Facebook para que os profissionais de saúde em conjunto são apenas alguns dos muitos anúncios que proliferaram não só em redes sociais, mas também o recrutamento plataformas on-line promoção de novos postos de trabalho em hospitais privados, os cuidados prestados por associações de caridade, e em unidades ligados a secretarias estaduais e municipais de saúde no Brasil.

Eles são instituições de saúde pública e privada correndo contra o tempo na preparação para os casos crescentes de coronavírus no país – um número que cresce a cada dia.

Não há dados ainda oficiais sobre um aparente aumento da oferta de trabalho para profissionais de saúde, mas organismos profissionais e recrutadores corporativos sinais claros de que você vê – particularmente para determinadas posições, como trabalhar em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) que receberam o maior número de casos graves.

A pedido da BBC Brasil, Cath, listagens de sites de empregos, descobriram que, em comparação com o mesmo mês de 2019 março 2020 aumentou em 281% no número de anúncios da área da saúde novos postos de trabalho (um mesmo anúncio pode indicar um ou mais empregos). A empresa não revela números absolutos, apenas porcentagens.

Correio, a maior melhoria foi observada na plataforma para a enfermeira UTI (718% em relação a Março de 2019), seguido pelo enfermeiro (708%) e enfermeiros (397%).

O monstro reconhece que, em sua plataforma, o número de vagas para médicos é residual.

Aqueles incluídos no CareerBuilder, a corrida para profissionais de saúde é exemplificada por contratos de publicidade para grandes hospitais, instalação de hospitais de campanha, municípios e governos estaduais em todo o país.

No início desta semana, foram lançados mais de 800 empregos temporários na área da saúde pelo governo do estado do Rio Grande do Norte; Por prefeitura 270 Porto Velho (RO); entre outros.

Esta foi a mais de 5000 postos de trabalho, com contratos de um ano, anunciado pelo governo federal em março, sob o programa que combate coronavírus médica.

Mais vagas para enfermeiros

O Conselho de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP) Regional – Estado que teve os primeiros registros de coronavírus e hoje tem o maior número de casos e mortes no país – também detectado em dados de um grande aumento da demanda por profissionais últimos mês.

De 11 a 31 de março deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, o volume de pedidos de registo na placa foi 49% superior – subindo 4.242-6.316.

O número de registros emitidos pelo conselho (quando o número de registro profissional foi emitido e é adequado para a prática) foi 22% maior, saltando de 3383-4132 entradas. As enfermeiras do conselho, técnicos e auxiliares de enfermagem atende.

Renata Pietro, presidente do Coren-SP, disse que os enfermeiros representam cerca de 70% da força de trabalho em saúde no país, então espera-se que as funções mais na demanda no cenário cenário atual pandemia.

Ao contrário de médicos, a contratação da prestação do serviço (tal como independente ou pessoa jurídica) é comum, Pietro disse que os enfermeiros tendem a ser contratados como CLT – e em vagas de emergência está agora, há muitos tipos de contratos temporários RPA.

E embora nos últimos anos a categoria tem sido destacada em relação a outro emprego – foi a categoria de nível superior com mais contratações no primeiro trimestre de 2019, de acordo com a plataforma estoque I com Registro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) – este está longe de indicar um ramo profissional sem problemas.

Embora apareceu como a profissão com mais contratações nos últimos dois anos (em termos específicos), há insuficiente. Instituições tendem a trabalhar com o mínimo, diz Renata Pietro também aponta para o crescente número de faculdades e graduados entrar no mercado.

Precisamos de mais pessoas no mercado, e um cenário deste tipo (a pandemia) é uma oportunidade de fazer este ajuste. Uma lata de pandemia também ajuda a dar novos licenciados a primeira oportunidade – muitos empreiteiros não estão mesmo perguntar se o candidato tem experiência.

Em grupos de enfermeiros no Facebook, a parede é preenchido com posições profissionais comemorando seu primeiro emprego na área de deixar o desemprego ou currículo para alcançar estes vagas de emergência – para o lado também disse que as preocupações sobre a exposição da nova doença.

Mantenha os meus filhos

Por Katia Oliveira enfermeira, 37, contratado há uma semana em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) em uma cidade de Santa Catarina oportunidade de trabalho vêm com o novo coronavírus era uma “luz no meio de todo este caos.”
É uma doença muito ruim, eu não queria trabalhar com ele. Mas olhando para uma parte do trabalho vai ser muito bom para o currículo, o que irá ajudar as pessoas no campo da saúde. Muito de. Eu tiro por mim, meu Deus. Eu vou ser capaz de ajudar meus filhos, para manter minha casa, disse à BBC Brasil enfermeira por telefone, “mãe e pai” quatro quinze anos atrás, quando ela ficou viúva.

Eu não sabia realmente como eu faria este mês para colocar comida em casa porque seria quase tudo (o orçamento) pro aluguel.

formado há três anos, Kathy tem uma carreira sacrifícios viveram jogo. Nascido em uma cidade de São Paulo, mudou-se para Santa Catarina para encontrar mais lugares que aceitam graduados frescos lá.
Para encontrar um local aberto na conta UPA para coronavírus, a enfermeira estava trabalhando em uma clínica psiquiátrica – hoje, as duas obras se acumulam, por vezes, reparar turnos.

E agora, o próximo passo de seu “sonho” é para ser mantida indefinidamente na UPA, que diz que ele está satisfeito com o ambiente e as condições de trabalho. By the way, além de relatórios de outros colegas no Brasil, ela afirma estar recebendo Equipamentos de Proteção Individual (EPI) contra coronavírus adequada – e tratou pacientes com suspeita de doença.
Em São Paulo, o Coren-SP apresentou esta semana uma carta ao Procurador denunciando as más condições de trabalho nos hospitais com base nas declarações profissionais – que a ponta indisponibilidade do Grupo PPE para todos os funcionários, falta de limpeza e reutilização de materiais mínimos descartável.

Apesar de admitir que está com medo de ser contaminado, Katya diz que ela não pensa duas vezes antes de aceitar o emprego nesta pandemia. Ele suporta os filhos e um deles, 20 anos, foi recentemente diagnosticado com leucemia, que traz novos custos de transporte para os testes, medicamentos e outros procedimentos.

Com o diagnóstico de crianças e trabalhar com pacientes de coronavírus, a enfermeira também estar fisicamente longe dele por tempo indeterminado. Ela vive com os avós em São Paulo para continuar o tratamento não foi iniciado.

Ver o meu filho, só depois de passar esta fase. Eu estou tendo a exposição directa ou baixa imunidade, eu não posso entrar em contato com ele. Meus pais também são mais elevados. Vamos matar a saudade de longe, falamos todos os dias no WhatsApp.
Novas mensagens também trabalham para médicos

Em um mercado com a propagação das propostas e do tipo de enfermeiros contratados, os médicos também têm visto novas oportunidades surgem motivadas pela prevenção coronavírus.

Service Creator I, uma série de grupos de WhatsApp e Telegram para regiões de todo o Brasil e em breve se tornará uma aplicação, Ana Paula D’Artibale médico tem sido uma ponte rotina frenética a lacuna entre os profissionais de saúde (principalmente médicos) e instituições públicas e privadas – que diz que eles são cerca de 30.000 pessoas que utilizam o dever que eu quero.

Mas com a pandemia coronavírus, a demanda por profissionais tornou-se ainda mais intensa.

Cada dia é um novo cenário: eu tinha ontem um pedido de serviço particular X ranhuras; Hoje eu acordar de manhã e mensagens que eu pedir mais profissional. Por quê? Médicos que trabalham foram removidos porque eles são suspeitos de coronavírus, então nós temos que atender a essa demanda. Este volume era muito grande.

Associação Médica Brasileira (AMB) e do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP), manifestou preocupação com os riscos a que estão sujeitas, sem condições adequadas de trabalho antes do coronavírus.

Em um reclamações dos canais de Internet dedicados especificamente à questão, a AMA recebeu em 29 de Março de 2513 queixas sobre a falta de equipamentos de proteção pessoal profissional (EPI) contra coronavírus – tipo de máscara N95 ou PFF2; vidros e / ou viseira; luvas; PAC; água camada de gel resistentes e álcool a 70%.

Com base nas queixas, presente em todos os estados, gel de álcool desaparecidas associada estimada em 35% dos estabelecimentos; 75% deles, há uma falta de pelo menos três dos seguintes EPI; mais de 30% dos casos, todos os EPI estão faltando.

Por um lado, você tem um número maior de pessoas que prestam cuidados de saúde; o outro, uma grande pacientes de entrada. E entre eles, a falta de proteção, de acordo com o vice-presidente da WBA, Diogo Sampaio, com vista a um pico de casos de coronavírus no país entre abril e maio.

Esta falta de equipamento é complexa, uma vez que é não só a protecção da saúde. Se não protegido e covid-19 se encontre o paciente é susceptível de ser contaminado e de transmissão (do vírus) com outros pacientes. Também transmitidas para outros profissionais de saúde e suas famílias.

Pior do que isso: você pode ficar doente, será testado, será de forma isolada e não pode prestar serviços à população durante 14 dias.

Na Itália, quase 6.000 profissionais de saúde deixaram a linha de serviço porque estavam doentes, Sampaio disse, notando que a eliminação doente profissional foi parte do colapso do sistema de saúde italiano com o coronavírus, juntamente com a falta de leitos UCI e equipamentos, entre outros .

Fonte, BBC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: