Teremos medo de toda a vida?

Teremos medo de toda a vida?

Minha primeira lembrança do medo sempre me faz tremer. Não é particularmente especial ou aterrorizante, mas é o tipo de evento que é arbitrariamente fixado na cabeça, que mais tarde estamos tentando separar por muitas horas de terapia e que são importantes para a mente e para o corpo: para sua identidade. Tenho oito ou nove anos, talvez menos. Meu pai me repreendeu porque tenho problemas para dormir: tenho medo de fantasmas. Às vezes, o medo é esquecido e às vezes não me deixa adormecer. Naquela noite, eles me dizem para ser corajoso, que as crianças não precisam estar acordadas e tentar dormir na sala, não na sala onde os adultos ainda estão assistindo televisão. Eu tento. Eu tento esse medo aperta meus olhos e dentes com toda a força do meu corpo. Eu digo a mim mesma em voz alta o que os adultos se repetem: não é real, os fantasmas não existem, tudo está em sua mente. Nessa idade, parece -me que o fato de que algo está sozinho em minha mente é suficiente para ser considerado menos ou inofensivo. Então, vou aprender que isso não é necessariamente verdadeiro.

Propaganda

Mas eu não posso assustar. O coração me convém mais rápido e cada vez que fecho os olhos, o que está em minha mente me vira. Eu choro de uma maneira inconsolável. Eu já envelhecei para entender a diferença entre as ameaças reais daqueles que não são e eu choro principalmente com medo, mas também de frustração porque minha cabeça não coopera com a racionalidade. Agora, além do medo, me sinto bobo. Um tempo passa que não consigo organizar na memória: pode ser meia hora ou quatro horas de puro sofrimento. Eu nunca fico em silêncio, o medo só está piorando, meus olhos estão cheios de lágrimas. De repente, eu ouço passos; É meu pai que, antes de dormir, quer verificar, talvez por hábito, talvez por compaixão, se eu pudesse adormecer. Ele entra e me vê aterrorizado na cama; Eu choro mais alto porque agora tenho medo, além de fantasmas, que vou fazer uma queda. Mas seus olhos estão inundados. Tente me confortar e não entenda o porquê, se eu tivesse entrado em pânico, se meu medo era tão legítimo, não o procurei. Eu posso ver que ele se sente infeliz por causa do literal de que levei suas instruções para serem corajosas. Ele se sente cruel e ruim pai.

Não há mais nenhum consolo possível, ele já me explicou todas as formas que os fantasmas não existem, já falamos sobre isso, já estou proibido de ver filmes de terror, já esclarecemos quando senti que algo atacou a sala : Só tem que me abraçar. Sinto -me seguro neste abraço, com essa certeza infantil de que nada poderia acontecer comigo. Então ele me disse, cheio de culpa, e como último recurso para me acalmar e dormir, não apenas todas as noites, que em uma época, vou deixar de ter medo de fantasmas. Que todos os anos eu cresço, serei mais corajoso e que essas coisas que só estão em minha mente deixarão de me revelar. Que me tornarei uma mulher intrépida, independente e capaz e que nunca vou gritar por medo pelos espíritos.

Propaganda

Mas ele está errado, ou ele mente para mim. Também estou surpreso com o seu erro, mas reconhecer que os pais são falíveis é outra característica brutal da idade adulta. Eu nunca consegui superar o medo de fantasmas. Eu sempre deixo uma luz na minha casa, apesar da vida sozinha há quase dez anos e meus nervos sempre giram quando algo soa no meio da noite. Ninguém o proíbe agora, mas ainda me considero incapaz de assistir filmes de terror, sempre tenho medo de assistir ao espelho quando vou ao amanhecer. Ainda tenho que listar uma lista de razões lógicas pelas quais tudo o que temo é improvável e o que é pior: esse medo acrescenta apenas mil medos. Mas meu pai não vem para me abraçar

O que está em minha mente não são apenas bruxas ou espíritos de pessoas que estão mortas e que voltam à noite. Agora, também me sinto pânico quando penso no destino da minha vida, no possível fracasso, que minhas idéias são ruins, que sempre há alguém que escreve, pensa e expressa muito melhor do que eu e eu não posso ficar Não é com cuidado, no que eu fico sem trabalho, quando cometi um erro tributário e posso ir presa, na qual fico doente, que estou com os acidentes mais improváveis, nos quais não sei se sou uma boa pessoa , a quem meu avião cai e, como, como se isso não fosse suficiente, agora temo a morte de meu pai. Que ele fugiu, esses acidentes, seu tempo chega, porque ele terá que chegar e eu já sou um adulto e terei que ser capaz de enfrentar o duelo, mas me assusta para me fazer hiperventilhas. Além disso, por alguns meses, tenho o medo constante da minha mente, temo enlouquecer, temo que a tristeza não me deixe respirar e também tenho medo, com isso na minha vida, é tão real. Nesta armadilha infeliz e precária que envelhece, sinto que acumulo medos, torres e deficiências e que ninguém me avisou com honestidade suficiente.

Propaganda

Fiz o que corresponde a fazer com meus pensamentos repetitivos, com meus medos excessivos: fui esmagar minha bunda em uma cadeira e converso sobre isso por inúmeras horas da minha vida. Fui todos os tipos de entusiasmo de mim que existem no mercado: um viciado em drogas, um amador excessivo e medíocre de meditação, um consultor bioenergético, um visitante de várias terapias psicológicas adicionais à psicanálise e ainda não cheguei a astrologia, mas não leva tempo. Eu tentei as terapias da exposição para todas as coisas que geram terrorismo; Eu li artigos, vi documentários, refugiei -me na ciência e também fiquei em um cruzamento da qual herdei minha avó nos momentos da maior tristeza. Eu nunca serei corajoso?

Não tenho mais oito anos e sei que não é elegante confessar medo. Não estou falando de uma fobia para algo específico: sou apenas uma pessoa solta. Eu sou essa pessoa que, se os outros não tivessem feito a maioria das coisas de onde vim ver o mundo, nunca as teria feito por mim mesmo. Eu não fui ou não serei a garota destemida que lança um rio: eu sou eu quem olha por trás, treme, ele secretamente quer que um adulto chegue e interrompa a experiência e depois sofre a única idéia de não tentar , então ele pula, atrasando os outros, convencido pelos outros, infelizes por ter que fazê -lo e infeliz não querer fazê -lo. Preciso da pressão da coragem dos outros para poder alimentar a sua, porque se isso dependesse de mim, isso nem faria 80% das coisas que eu faço dia a dia.

Não posso superar o medo, nesta retórica da guerra, que é tão elegante para falar sobre tudo o que aflige. Não é uma qualidade que me salva com perigo. Ser assustador não me torna uma pessoa mais responsável ou menos impulsiva, que só sofre. Eu sou o seguinte: uma cagona, uma galinha, uma pessoa ansiosa que, além de pensar em todos os cenários catastróficos que voam sobre cada situação, não encontram neste “somente em minha mente” um argumento suficientemente incapacitante para que a melhor solução é farmacológico porque posso, em termos freudianos, amor e trabalho.

fonte: https://www.vice.com/es/article/jg8x9g/toda-la-vida-vamos-a-tener-miedo

Os comentários estão encerrados.