Adiar eleições cria incerteza nas eleições.
15 de junho de 2020
Irmã de Kim ameaça ação militar contra “inimigo” da Coréia do Sul
15 de junho de 2020

Rede federal carece de profissionais e equipes

Rede federal carece de profissionais e equipes

Uma pesquisa iniciada no final de semana pelo Sindicato dos Médicos (SinMed-RJ) nas redes de saúde pública do Rio registrou a falta de profissionais e equipamentos e o consequente fechamento de centenas de leitos em cada uma das nove unidades da rede. dos hospitais federais do Rio, o maior sob a administração do Ministério da Saúde.

Dados de pandemia: capital excede 5.000 mortos por Covid-19

O caso mais grave é o do Hospital Federal de Bonsucesso, que, no início da pandemia, foi definido pela Superintendência Estadual do Ministério da Saúde como a unidade de referência na luta contra o coronavírus no Rio. Com isso, o hospital foi esvaziado, deixando de oferecer 28 serviços especializados de média e alta complexidade em um de seus edifícios, para atender exclusivamente o Covid-19. O resultado foi a troca de 240 leitos por 49, que, segundo dados do Sistema Regulatório no sábado, estavam desocupados.

A inércia no fornecimento de leitos gerou a ação da Defensoria Pública Federal e do Ministério Público Federal. No início de maio, os tribunais acusaram “falha em lidar com a pandemia” e ordenaram a remoção da liderança do HFB, mas uma decisão posterior do TRF2 suspendeu o mandato.

– Desde o início, criticamos a eleição do HGB como referência, e já existem duas outras unidades com emergências melhor estruturadas, Cardoso Fontes e Andaraí – disse Carlos Vasconcellos, diretor do SinMed-RJ, que criticou o discurso do presidente Jair Bolsonaro. promover a busca de inoperação hospitalar flagrante. – Não queremos liberar a responsabilidade do governador e do prefeito, mas o presidente não pode acusar isso, se sua própria rede não fizer nada.

Soluções: Governo e plano de negócios serão retomados após pandemia

A outra unidade federal com camas para Covid é o Hospital dos Servidores, com seis disponíveis. Mas as unidades de emergência continuaram a receber pacientes com coronavírus, como Cardoso Fontes, onde os profissionais falam em superlotação.

– Um quarto para seis pacientes tinha 21 anos. Eu cuidava dos 13 ao mesmo tempo, quando a média era de três – diz a técnica de enfermagem Christiane Gerardo. – Tivemos alta demanda e poucas condições de serviço.

Adiamento: falta de medicamentos atrasa a abertura dos hospitais da campanha em São Gonçalo e Nova Iguaçu

Caro, o Ministério da Saúde não respondeu.

fonte: https://oglobo.globo.com/rio/rede-federal-tem-falta-de-profissionais-equipamentos-1-24479677

Os comentários estão encerrados.