Prevenir O estudo de idosos com cloroquina não foi autorizado; o governo vê evidências de fraude

Prevenir O estudo de idosos com cloroquina não foi autorizado; o governo vê evidências de fraude
Caixa prevê pagamento da segunda parcela da ajuda de emergência
20 de abril de 2020
Prevenir O estudo de idosos com cloroquina não foi autorizado; o governo vê evidências de fraude
O ministro da Saúde diz que o relaxamento do isolamento social ocorrerá de ‘maneira progressiva, estruturada e planejada’
20 de abril de 2020

Prevenir O estudo de idosos com cloroquina não foi autorizado; o governo vê evidências de fraude

Prevenir O estudo de idosos com cloroquina não foi autorizado; o governo vê evidências de fraude

San Pablo

Prevenir o estudo não concluído de Senior sobre o uso de hidroxicloroquina em pacientes com esclerose múltipla Covid-19 violando os protocolos de investigação ética e pode indicar fraude científica, segundo o CNS (Conselho Nacional de Saúde), uma agência que integra o Ministério da Saúde .

A investigação do operador de plano de saúde para pessoas com deficiência de solo recebe a autorização de Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa), vinculada ao CNS, em 14 de abril. No embargo, o estúdio tem estado em curso a partir de 26 de março e os resultados são apresentados na semana passada, antes da publicação em uma revista científica.

Os dados do CNS que estão estudando enviam a Fiscalidade dos documentos relacionados com a falta de autorização da empresa para permitir que o cabo investigue e depoimentos que estão recebendo a comissão.

Confie em um estúdio com autorização de uma infração ética. “Aparentemente, es un fraude científico”, dados Jorge Venâncio, coordenador de Conep. “Sabia que nenhuma era uma investigação aprovada pela Conep. Se você tiver uma mentira aberta. Não há uma investigação científica, ambígua. Há uma investigação muito mais séria. Intentar apresentar como investigação científica algo que não é investigação científica”.

O contador afirma que as músicas comemoram uma audiência com os investigadores e Prevent Senior (20). A empresa, segmento de empresa, grupo de trabalho que não é responsável pela publicação e que o estúdio comercializa as câmaras (22). Además, segun Venâncio, a empresa declara que a publicação publica se realiza com dados de assistência e que nenhum feno está relacionado com o que está presente.

Os hechos permitirão que o Conep suspenda a investigação que a empresa, segun Prevent, os departamentos.

“Dijeron que no fueron ellos quienes presentaron. Que quienes lo presentaron habrían foram empregados de ellos”, dados el asesor. Según él, o primeiro autor do estúdio, o cardiologista Rodrigo Esper, pode ser declarado.

Os dados do CNS que solicitaram a empresa que contém notas públicas para validar o pedido.

Interrogado pela Folha de Direito (20), Prevent Senior declara que a investigação fue, divulgada pela empresa e que “todos os protocolos clínicos descritos dentro do escopo do Prevent Senior reafirma os regulamentos oficiais e as práticas clínicas de investigação e ética e você está apresentando o regulador do organismo “.

A empresa também identificou dados que “o manuscrito difundido na janela do dia 17 de abril) atribui incorretamente um número de protocolo ao Conep. Por tanto, os dados do paciente contidos no documento não se referem à investigação autorizada pela comissão do Ministério”. . da Saúde. Estos sonoros números reais de assistência, não estão vinculados ao protocolo clínico com o número de conep “.

As empresas (17), representantes da Prevent Senior divulgaram os dados do estúdio na imprensa, o diretor executivo da empresa, Pedro Batista, e a Folha que investiga “uma nova terapia terapêutica segura para os pacientes” dos grupos de acordo com Covid-19 casos leves. A declaração se repete nos discursos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que defende a hidroxicloroquina como uma solução para a pandemia e pesa a falta de evidência científica científica sobre a sua eficácia.

No domingo (19), Bolsonaro também inclui informações sobre a empresa que administra a investigação.

A empresa também lida com dados da Folha que “o objetivo de impedir é dividir os resultados positivos obtidos no tratamento da covid-19 com outras instituições de saúde”. Sem embargo, a investigação que publica os casos não se refere a pacientes com Covid-19. Nenhum hub de diagnóstico de pessoas que formam parte da investigação.

“Se você fornecer todas as alternativas para Conectar e permitir possíveis ajustes para que, juntos, podamos encontrar opções aprovadas para combater o novo coronavírus”, digite a comparação em uma nota.

A suposta pesquisa de Prevent Senior realiza-se com mais de 600 pacientes com diagnóstico de Covid-19, dos quais 412 tomam a combinação de drogas hidroxicloroquina e azitromicina. Segue os experimentos realizados e o autor do estúdio, Rodrigo Esper, não há possibilidade de concluir os medicamentos e causar um efeito contra o novo coronavírus debitado em métodos metodológicos.

Um dos problemas é que os investigadores não conhecem os 636 pacientes no estúdio tenente Covid-19. Além disso, todos os pacientes no estúdio de saúde invitam um medicamento, e aquecem se negam a formar um grupo separado para comparação. Nos estudos que estão atrasados, os voluntários dividem-se aleatoriamente em diferentes grupos e não sabem, e estão recibiendo o tratamento real ou placebo, para evitar sesgo.

A empresa habita dicho que estudio serie publicado em uma revista científica de renome. Sem embargo, cuide para saber mais sobre os detalhes da publicação, que é o que você encontrará sozinho se enviar uma revista e não receber um comentário.

O relatório também indica a inconsistência do registro da investigação no registro de estudos internacionais, no qual as divergências de hub na relação com o número de pessoas que formam parte da investigação e iniciam a finalização.

Segue o registro, que também apresenta as músicas pasadas (13), o estúdio solo comercial no segundo (20), com um número menor de pacientes na relação e o que aparece no estúdio que o Prevent Senior enviou para a Folha e você habría comenzó

Como os princípios de abril e desde o início da epidemia do novo coronavírus no Brasil, Impedir que Senior atinja a atenção debitada na concentração de muertos do Covid-19 em hospitais de São Paulo. O plano de saúde também concentra 58% dos pacientes com doença em São Paulo.

Uma multa de imposto de renda, a Fiscalidade de São Paulo também institui um procedimento de investigação criminal para investigar possíveis omissões por parte de equipamentos médicos no hospital Sancta Maggiore, da cadena Prevent Senior, em ações obrigatórias para a proliferação de novos coronavírus .

Uma inspeção dos equipamentos de saúde municipais no hospital encontrou pacientes infectados com Covid-19, onde a situação era desconectada para os organismos de controle de doenças infecciosas, uma notificação que é obrigatória por lei.

A empresa fada criticada pelo ex-ministro de Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

fonte: https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/04/estudo-da-prevent-senior-com-cloroquina-nao-tinha-autorizacao-governo-ve-indicios-de-fraude.shtml

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: