Por que o corpo entra em colapso quando a mente é falsa?

Por que o corpo entra em colapso quando a mente é falsa?

Recentemente, após os Jogos Olímpicos, a discussão sobre o corpo e a saúde mental se tornou mais uma vez a superfície. Mas não foi apenas a partida de Simone Biles da competição da equipe, também houve comentários sobre outros atletas, como o lançador de peso Ravens Saunders, que falou de sua saúde mental no passado. Tangencialmente, também testemunhamos as manifestações das atletas do sexo feminino contra a sexualização de seus corpos e o uso de uniformes divididos por gênero.

Obviamente, já sabíamos a resistência mental que os atletas e o comentário do tenista Djokovic (“Pressão é um privilégio”) devem ter a cultura de abusos psicológicos aos quais muitos atletas são submetidos (e submetidos) aos Jogos Olímpicos nos arquivos e medalhas. Há uma certa idéia de que, para ser o melhor, você precisa suportar tudo: pressões físicas, emocionais e cognitivas. E parte dessa idéia vem de uma compressão muito simplista de nossa mente e nosso corpo.

Os Jogos Olímpicos parecem ver uma habilidade corporal em primeiro lugar. As medalhas ganham com as atividades físicas, os arquivos estão lutando melhor do que a última vez que outro órgão enfrentou as mesmas adversidades. Mas o que permaneceu em primeiro plano nesta edição é que esses corpos não estão inconscientes de sua mente, ou que o sucesso não depende apenas de um corpo saudável e poderoso.

Eles eram jogos olímpicos emocionais e estranhos, com estandes vazios e a cena de atletas futuristas comemorando com suas famílias, várias vezes com lágrimas, o que lhes contou sobre um totem de robô em uma tela. Os Jogos Olímpicos de 2020 (em 2021) pareciam sozinhos no meio de uma crise global de saúde, que afetou o treinamento de muitos atletas, que também foi comentado. Era extremamente positivo que essa edição teve como discussões no centro de saúde mental e, em geral em vidas humanas.

“O corpo é sociopolítico”, explica Juan David Páramo, psiquiatra e professor de Bogotá. “O sistema de produção capitalista exerce uma empresa específica e subjetivação”, explica ele. Os Jogos Olímpicos não fogem: eles seguem uma lógica de competição, associada a uma dinâmica geopolítica muito especial. Além disso, como vimos tão claramente nesta ocasião, é o cenário de discriminação sexual e a objetificação das mulheres. “Esse tipo de pressão exercida por habilidades globalizadas e altamente financiadas gera fraturas no plano subjetivo, que pode ser expresso no sistema corporal”, continua Páramo.

Então, com a criação dos primeiros computadores, a metáfora deste dispositivo foi considerada uma descrição dos processos cognitivos, e esse espírito racional foi associado, que funciona como um computador, no cérebro. É por isso que hoje ainda dizemos coisas como o corpo não responde às instruções do cérebro, ou esse exercício físico é bom porque produz endorfinas (no cérebro). Ele também vem daí a idéia de que, se um atleta conseguir suportar pressões psicológicas, ele terá um corpo obediente e eficaz e que o caso de Simone Biles ilustra tão claramente. Mas os cientistas e filósofos cognitivos têm muita compreensão mais complexa e relacional do que seria o espírito humano. E o cenário dos Jogos Olímpicos é um bom CA

Culturalmente, nosso senso comum é muito falso sobre a mente e, portanto, o que é a saúde mental. Nós herdamos Descartes – uma pequena leitura complexa de seus postulados – a idéia de que o espírito e o corpo são entidades distintas. O Espírito seria o produtor de idéias e pensamento racional, e o corpo seria o produtor de processos fisiológicos; O corpo seria a natureza e a mente da humanidade.

Um dos efeitos dessas pressões ambientais é a exaustão profissional. De acordo com Páramo, “a tecnologia corporal, o que a torna uma máquina corporal para a disciplina em que está em competição, ou por um trabalho produtivo, pode gerar pressões que afetam a maneira como a mente segue e ocupa esse corpo. Um efeito comum da exaustão profissional é que o corpo e a mente rejeitam o que deve fazer. Algo semelhante ao que Simone Biles relatou durante os Jogos Olímpicos, quando ele explicou quais seriam as reviravoltas, uma espécie de perda de orientação durante os saltos.

Sabemos que o exercício físico é uma atividade enriquecedora e necessária para a saúde em geral, então como algo que é gratificante você pode machucar? Isso pode ser devido, de acordo com Páramo, que “os processos subjetivos são respostas ao desgaste que geram uma resposta para essas pressões, porque a mente também é social, cultural, relacional”. Em outras palavras, nossa mente é muito mais do que nosso cérebro e supera nossas idéias ou sentimentos. As ciências cognitivas chamam isso empreendedor e distribuído, ou seja, que a mente não depende de um corpo e relacionamentos com o meio ambiente, mas, ao extremo, é também que o corpo e esses relacionamentos.

Páramo, que trabalhou em problemas de saúde mental com os povos aborígines colombianos, dá um exemplo que ajuda a entender o que ele se refere quando diz que a mente é “ relacional ‘em termos de “saúde mental”, eles falam muito sobre “harmonia” com o meio ambiente; Ele adoece, em seu sistema de mercado de ações, tem a ver com danos a seus territórios, o que revela um intenso vínculo entre o meio ambiente e a saúde mental. »»

Por outro lado, nosso sistema neoliberal extremamente individualista fortalece insistentemente a idéia do indivíduo e sua melhoria, e a prática do exercício não está fora dessa lógica: fazemos exercícios para ter mais valor em uma empresa que dá o caráter de os bens para indivíduos. Mesmo quando praticamos auto -características, essas são experiências individuais, práticas solitárias refletidas em nosso aspecto físico. É isso que poderíamos chamar de “a ideologia do bem-estar”: uma competição para ser saudável e parece parecer. “É a lógica individualista do treinamento”, explica Páramo, “onde somente você, você e ninguém senão você e onde, ao mesmo tempo, você é responsável apenas pelo seu poço”.

fonte: https://www.vice.com/es/article/qj854b/por-que-el-cuerpo-colapsa-cuando-la-mente-esta-mal

Os comentários estão encerrados.