Os 6 casos envolvendo aliados de Bolsonaro ou familiares que estão em evidência com uma mudança de comando da PF

Os 6 casos envolvendo aliados de Bolsonaro ou familiares que estão em evidência com uma mudança de comando da PF
‘E daí?’: Quem é Alexandre Ramagem, amigo da família Bolsonaro que liderará a PF?
29 de abril de 2020
Os 6 casos envolvendo aliados de Bolsonaro ou familiares que estão em evidência com uma mudança de comando da PF
Renúncia de Moro: você não pode ‘subestimar Bolsonaro’, diz brasileiro
29 de abril de 2020

Os 6 casos envolvendo aliados de Bolsonaro ou familiares que estão em evidência com uma mudança de comando da PF

Os 6 casos envolvendo aliados de Bolsonaro ou familiares que estão em evidência com uma mudança de comando da PF

Imagem do autor da imagem FLICKR FAMILY BOLSONARO A legenda da imagem PF investe em um plano de notícias falsas para atacar as autoridades, que é promovida por grupos vinculados ao presidente

As circunstâncias do ácido do ex-ministro Sergio Moro do governo de Jair Bolsonaro geram instruções sobre como executar um novo comando na Política Federal, que afeta os casos que envolvem os hijos e aliados do presidente.

Moro atribuído à ministra da Justiça na presidência do presidente ejercería sobre a Política Federal, que foi chamado de “inadecuado”. Segmente o ex-presidente de Lava Jato, Bolsonaro, inclusive, solicita informações sobre investigações em curso, facilitando a autonomia da empresa.

Bolsonaro usa, o dia da morte, que trata da interferência da Polícia Federal (PF). “Nunca le pedi (a Moro) que PF me protege donde quiera que fuera”, também presidente. Sem embargo, declare que solicite informações sobre as atividades do FP a Moro para “decidir o futuro desta nação”.

Maurício Despachante Vale puerto diretor geral da Policia Federal se publica el viernes (24/04). Alexandre Ramagem, atual diretor de Abin (Agência de Inteligência do Brasil), é nomeado provável novo diretor geral da Polícia Federal.

No domingo (26/04), Bolsonaro respondeu “¿e qué?”, ​​Em um social vermelho, uma mensagem que decide por que Alexandre Ramagem é amigo dos hijos do presidente.

“¿Quê? Antes de encontrar um hijos, conecte-se com Ramage. ¿Por que serberto vetado? ¿Deseja eleger alguém com um amigo?”, Escreveu Bolsonaro.

Interferências?

A Federação Nacional de Polícia Federal (Fenapef), que representa 15.000 policiais federais de todo o país, publica uma nota no dado que “a Polícia Federal é uma polícia estatal e nenhuma polícia do governo, e por tanto cree e desafie a instituição nunca debe verse afetada pela interferência política “.

O presidente da Fenapef, Luís Antônio Boudens, também da BBC News Brasil, que a Federação reforça a vigilância sobre possíveis intenções de interferência política.

“Aumentamos nossa atenção com a preservação dos agentes da polícia envolvidos nas investigações. Nossa vigilância será mais atenta”, também.

Ele é o substituto do presidente da República elegível para o diretor-geral da FP, que é quem cria um alerta, se houver uma relação de amizade. “Não consideramos, a menos que descubra a motivação, a troca do diretor-geral é uma interferência. Ele está previsto para a lei, não há necessidade de hablar um pisoteio”.

Como alterar um eventual intento de intervenção no FP para salvar as investigações, os pontos centrais, segun Boudens, os valores dos equipamentos e os investigadores e o tipo de corte desproporcionado para áreas da Política Federal.

“Retirar os agentes de polícia de um equipamento de investigação sem uma lâmina plausível é algo que gera sospechas”, explica Boudens.

Em uma continuação, 6 casos que envolvem pessoas próximas ao presidente Jair Bolsonaro e que uma relação de algas com a Política Federal:

Derechos do autor da imagem Adriano Machado / Reuters Legenda da imagem O ex-presidente de Lava Jato, Moro, anunciou o renúncia ao governo e acusou o presidente Bolsonaro de intentar interferir nas investigações.

1. CPMI de noticias falsas

Dos presidentes do presidente Jair Bolsonaro, Carlos Bolsonaro, conceitual de Rio e Eduardo Bolsonaro, federal federal, investigados pela Comissão Paritária de Investigação Parlamentar (CPMI) do Fake News.

As declarações à comissão denunciam a participação de Carlos e Eduardo nas campanhas da Internet para atacar os opositores políticos, com o uso posterior de notícias falsas.

Dirigido por ataques em sites da web e redes sociais, o governo federal e o ex-líder do governo Joice Hasselmann (PSL-SP) apresentam um expediente à comissão e acusação de Carlos e Eduardo Bolsonaro de conduzir os ataques. Otro federal federal, Alexandre Frota (PSDB-SP), também conhecido como ataque branco e outros ex-aliados, acusações semelhantes.

Frota dijo que documentos enviados pelo Facebook para a câmara de Eduardo Guimarães, um assistente de Eduardo, no esquema de ataques virtuais. Segota Frota, os documentos que revelam que o computador de Guimarães está vinculado à cueca do Instagram Bolsofeios, que realiza vários ataques contra periodistas e críticas ao gobernador.

Eduardo Bolsonaro disse que não há vínculo entre o vínculo entre o assistente e a cuenta.

A BBC News Brasil solicitou ao escritório de Carlos a posição sobre as filas, mas não recebeu resposta.

O trabalho do CPMI foi reformado, desde finais do ano passado, por um delegado e um especialista criminal especializado em crime cibernético.

Em 22 de abril, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), ordenou a suspensão da comissão durante a pandemia de coronavírus. Com a decisão, que é contra as interações da família Bolsonaro, os congressistas tendem a ter mais tempo para investigar o tema.

O presidente do IPC, Mista das Fake News, senador Angelo Coronel (PSD-BA), selecionou a intenção de convocar o Moro para hablar com a comissão.

2. Encontro de notícias falsas

O Corte Suprema Federal (STF) ordenou uma investigação sobre os ataques contra membros da corte e do congresso. A investigação, que pode ser feita em segredo, permite acessar as informações coletadas pelo CPMI do Fake News e converter em outro fator de preocupação para Eduardo e Carlos Bolsonaro.

Iniciar o procedimento é confidencial, a empresa publicou resultados de algunos. Según Folha de S.Paulo, a Política Federal identificou Carlos Bolsonaro como um dos articuladores de um esquema criminal de notícias falsas. Y, segun Estadão, identifique empresários bolsonaristas que financiam ataques contra ministérios da corte nas redes sociais.

Os despachantes de Moro são acusados ​​de Bolsonaro, o ministro do STF Alexandre de Moraes, que é o relator do caso, determinado o comando da política Federal de mantenedor de delegação dos delegados da PF que trabalha neste caso nos EUA. A medida fue vista como uma forma de evitar um eventual sustento na direção geral da influência da PF na investigação.

Boudens de Fenapef dados que o Ministro Supremo fue ágil. “Inclusão podemos solicitar a correção constitucional, porque a FP tendencia a decidir sobre os coordenadores propriamente ditos, tentando fazer com que a tenra razao tome a medida preventiva”.

Derechos de autor da imagem Divulgação Leyenda de imagem Carlos, Flávio e Eduardo Bolsonaro

3. Investigação de ações para golpistas

O ministro Alexandre de Moraes, do STF, autorizou a cobertura de uma investigação para investigar as manifestações celebradas em 19 de abril. A solicitação de investigação realizada pelo Fiscal Geral, Augusto Aras, para determinar se ele é um acto contra a democracia por parte dos membros federais, o que justifica a competência do STF no caso. Esta investigação também está em segredo.

No final, o presidente Jair Bolsonaro dirige os manifestantes diante da sede do exército. Entre os manifestantes, o hub defende a esfera do congresso, o Corte Suprema e um novo AI-5, o órgão institucional que suporta o regime militar e suprime os desdobramentos e liberações. O presidente não está na solicitação de consulta.

Também na relação com esta investigação, o ministro Alexandre de Moraes, o representante e responsável por coordenar as investigações com a Política Federal, determina que a FP debita a mantenedora no lugar dos delegados que você está processando no caso.

4. Caso Queiroz e Superintendência de FP no Rio

Em agosto de 2019, Bolsonaro anunciou a troca do superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro: Ricardo Saadi, que foi reemplorado por Carlos Henrique Oliveira. O presidente mencionou problemas de “gestão e produtividade”, perdendo a instituição de usar os problemas de comprometimento do líder.

Faça o superintendente de PF no Rio sem interface nos casos relacionados com a família Bolsonaro, faça uma avaliação de que Bolsonaro troca o superintendente porque o desempate de Saadi está instalado em linha com as empresas que ocupam o caso de Queiroz, que investiga os supuestos vínculos entre as milícias no Rio de Janeiro: um nível estatal, com o Ministério Público do Rio de Janeiro.

Fabrício Queiroz, ex-deputado de Flávio Bolsonaro na Asamblea Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e amigo de Jair Bolsonaro desde a década de 1980, quarta-feira investigado em 2018 após o voto de Coaf (também conhecida como Unidade de Inteligência Financeira), identificada por várias transações transacionais

Segue a agência, Queiroz mova R $ 1,2 milhão entre o ano de 2016 e o ​​de 2017, um valor que é incompatível com ativos e ocupação, e recebe transferências na cuenta de servidores que passam pelo laboratório de Flávio.

Os estoques atípicos, que surgiram no brasão da Operação Lava Jato, levaram a uma investigação por parte do Ministério Público do Rio de Janeiro. Existe a possibilidade de transferência de debêntures para um esquema “agregado”, na parte dos salários dos assistentes, devolver um Flávio ou se destinar a outros multos, o Flávio niega.

Flávio contratou um executivo da Corte Suprema Federal para investigar a investigação, depois de ter sido derrotado e investigado pela investigação do ministro Gilmar Mendes.

Na semana passada, em outros exames para o senador, o ministro Félix Fischer do Tribunal Superior de Justiça (STJ), conseguiu uma solicitação de suspensão de investigações.

Para os investigadores, Flávio Bolsonaro é o chefe de uma organização criminosa que presta serviços no escritório da Asamblea Legislativa entre 2007 e 2018, e parte dos recursos movidos pelo esquema após lavagem em uma franquia de chocolate da empresa.

Os fiscais também investigam se “crack” é usado para financiar uma milícia comandada pelo ex-oficial da polícia Adriano Nóbrega, que morreu em fevereiro.

Danielle Mendonça, ex-esposa de Nóbrega, trabalha como assistente de Flávio. Nas conversas do WhatsApp, as pessoas acedem aos investigadores, que são expostos a uma parte do salário que recebe o workshop.

Flávio é investigado no âmbito da exploração de fundos, lavagem de dinheiro e organização criminal. Nenhuma informação detalhada sobre os próximos passos ou a finalização esperada porque os processos são confidenciais.

O senador niega haber cometido ilegalidade alguna no caso.

“Fabricio Queiroz trabalhou durante mais de um ano e já esteve no meu confianza. Nunca escutei nada que pudesse impedir sua condução”, por meio do Twitter, após o procedimento cirúrgico. “Tengo un pasado limpio y nunca cometeu ninguna irregularidad en mi vida. Tudo isso é provavelmente um debito dentro do processo legal”, também Flávio em um comunicado.

No domingo (26/04), na mediação de negócios sobre novos nomeados para carga hacker do PF e no Ministério da Justiça, Bolsonaro recibiu no Palácio de Alvorada, o advogado Frederick Wassef, no caso de Flavio Bolsonaro no caso Queiroz. Não há declaração à imprensa.

5. Adélio Bispo

Na declaração na resposta a acusações de Moro, Bolsonaro e o ex-ministro estariam mais preocupados com o caso de concepção da conceitual Marielle Franco que com o ataque que ocorreu durante a campanha presidencial.

A presidência de Bolsonaro sobre o caso Adélio Bispo, autor de ataque com código, será o primeiro problema para o novo diretor de PF. Segue a coluna do painel da Folha de S.Paulo, a avaliação interna entre os oficiais da polícia federal que você utilizou uma intensa investigação neste caso, mas não encontrou uma nadie.

Sem embargo, a decisão do STF de autorizar ou não investigar investigações em documentos e equipamentos recomendados com os registros de Adélio está pendente. Correspondente ao ministério da Corte Suprema de decidir, neste caso, o PF pode examinar um telefone celular e outros materiais incautados no laboratório de advogado Zanone Manuel de Oliveira, que é seu amigo de Adélio.

A investigação dos materiais que foram estabelecidos com Zanone se suspendeu para o Tribunal de Justiça com uma solicitação do Colégio de Abogados do Brasil, que argumenta para obter informações de um advogado que violou o segredo profissional garantido pela Constituição.

Bolsonaro e seus colegas argumentam que esta experiência pode ajudar a diluir o episódio.

Adélio tem estado em prisão preventiva desde setembro de 2018.

6. Secretaria de Comunicação de Bolsonaro

Por princípio, a Política Federal abriu uma investigação para investigar irregularidades cometidas pelo Secretário de Comunicação Social da Presidência da República, Fábio Wajngarten. A investigação também está pendente de confidencialidade.

A solicitação do Ministério Público Federal de dados que objetiva investigar evidências de corrupção, exploração de fundos e defesa administrativa (como o gerenciamento de uso de carga pública para defensores públicos interessados).

O caso de Wajngarten salva à luz de uma série de informações publicadas pelo periódico Folha de S.Paulo desde mediados de enero.

O veículo revelado, incluindo um público de carga, indica o principal sócio de uma empresa que fornece consultoria e recorre a um número de televisores e empresas de publicidade contratadas pela secretaria de trabalho para o mando. Este cenário implica um conflito de interesses.

Wajngarten niega todos os dados e cargas que a investigação servirá para demonstrar sua inocencia.

¿Já viu vídeos novos vídeos no YouTube? ¡Suscreva um novo canal!

fonte: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-52448597

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: