Kanye West pode desequilibrar as eleições nos EUA, diz Paulo Figueiredo
12 de julho de 2020
Maia diz que acordo para votar adia eleições ainda está longe
12 de julho de 2020

Novo relatório da lei contra ‘fake news’ propõe registrar novamente telefones celulares pré-pagos

Novo relatório da lei contra ‘fake news’ propõe registrar novamente telefones celulares pré-pagos

🔊 Clique para ouvir ou importar

O novo texto do projeto de lei que visa “combater as notícias falsas” nas redes sociais (PL 2630/2020) deve conter a determinação de registrar novamente todas as contas de telefones celulares pré-pagos do país, com verificação de identidade. Manchetes. A medida foi apresentada pelo senador Angelo Coronel (PSD-BA), relator do projeto, na última sexta-feira (19).

A apresentação do relatório foi adiada para a próxima quinta-feira (25). O texto deve conter a classificação de crimes contra honra (difamação, difamação e injúria) na Internet, com penalidades maiores do que as atualmente prescritas no Código Penal para essas práticas em ambientes não virtuais.

Essa medida também deve estender a concessão do direito de resposta para que ele tenha o mesmo escopo que a mensagem original.

O PL 2630 estabelece regras para o uso e operação de redes sociais e serviços de mensagens privadas pela Internet, com o objetivo de combater a disseminação de conteúdo falso e manipulado. A votação está marcada para a próxima terça-feira (23).

O projeto é do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). A pesquisa do DataSenado mostra que 84% dos brasileiros usuários de redes sociais apoiam total ou parcialmente a iniciativa.

Re inscrição

Angelo Coronel explicou que solicitará o re-registro de telefones celulares pré-pagos para enfrentar o desempenho de contas e perfis anônimos, estabelecidos por meio de “chips frios”. Isso acontece quando um chip de telefone celular é ativado a partir de um número de CPF que não pertence ao usuário (como de uma pessoa falecida, de uma “laranja” ou adquirida criminalmente) e usado para criar contas em redes sociais e aplicativos de mensagens .

– A pessoa credita um chip, abre uma conta e ativa suas mensagens maliciosas. Quando você tiver uma ordem judicial para descobrir de onde vem a [mensagem], mesmo que a rede informe o telefone celular registrado, o autor será desconhecido, não poderemos entrar em contato com o autor.

Além do novo registro geral de telefones celulares já ativos, o projeto de lei deve incluir cláusulas claras para que as empresas telefônicas verifiquem rigorosamente a identidade dos usuários antes de ativar novas contas.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) possui mais de 122 milhões de linhas pré-pagas no Brasil e estima que cerca de 0,25% delas tenham alguma inconsistência de registro. A agência fornece um serviço para os cidadãos verem se o CPF está associado a uma linha pré-paga sem a sua autorização (pré-registro).

Liberdade de expressão

Os pontos mais controversos do texto original do PL 2.630 / 2020 são a permissão para redes sociais e plataformas de mensagens removerem unilateralmente conteúdo considerado fraudulento, por meio da ação de verificadores independentes (verificadores de fatos).

A medida viola a liberdade dos usuários e o escopo das medidas para rastrear as identidades dos usuários é uma ameaça à privacidade.

Para Ângelo Coronel, no entanto, a liberdade de expressão “tem um limite”.

– Toda liberdade de expressão tem um limite, não é liberdade mentir e atacar a honra das pessoas. Não quero desvendar segredos, quero saber quem cometeu crimes. Não podemos permitir que gangues digitais permaneçam dentro de redes. Ou fechamos essas lacunas ou diremos o que não foi dito, disse o senador. Ele acrescentou que a Constituição Federal já proíbe o anonimato quando garante a liberdade de expressão.

Com informações, Agência do Senado

fonte: https://www.tercalivre.com.br/novo-relatorio-para-lei-contra-fake-news-propoe-recadastramento-de-celulares-pre-pagos/

Os comentários estão encerrados.