Nos Estados Unidos, os latinos com Covid-19 são pressionados a trabalhar na indústria de carne.

Nos Estados Unidos, os latinos com Covid-19 são pressionados a trabalhar na indústria de carne.
Possível vacina chinesa contra o coronavírus será um “bem público global”
18 de maio de 2020
Nos Estados Unidos, os latinos com Covid-19 são pressionados a trabalhar na indústria de carne.
Chile bate recorde diário de poluído, mas registra crescimento do PIB
18 de maio de 2020

Nos Estados Unidos, os latinos com Covid-19 são pressionados a trabalhar na indústria de carne.

Nos Estados Unidos, os latinos com Covid-19 são pressionados a trabalhar na indústria de carne.

Nos Estados Unidos, os latinos com Covid-19 são pressionados a trabalhar na indústria de carne.

WASHINGTON – Nascido no México e agora cidadão dos EUA, Juan nunca esteve sem emprego devido à gripe nas últimas três décadas, trabalhando em uma geladeira no estado americano de Nebraska. Ainda assim, ele recebeu uma ligação de uma empresa terceirizada da Tyson Foods de Dakota City na semana passada. O funcionário disse que deveria voltar ao trabalho na segunda-feira. Juan explicou que tinha coronavírus e que precisava ficar em casa.

– Ela me disse que eles achavam que ela estava fingindo. Como, se eu nunca fingi em mais de 30 anos?

Juan é um dos milhares de imigrantes expostos ao coronavírus na cadeia de produção de alimentos nos Estados Unidos. Ele pediu o relatório, em uma entrevista por telefone em espanhol, para seu único idioma, para não ser identificado pelo seu nome verdadeiro. Ele teme problemas com a empresa. O condado de Dakota, onde está localizado, já é o segundo maior surto de coronavírus em Nebraska, com 1.452 casos e sete mortes, segundo o The New York Times. É também o segundo em número de casos per capita no país.

Desacordos: Em uma crítica indireta a Trump, Obama diz que os Estados Unidos não têm liderança contra o coronavírus: “Eles nem fingem estar no comando”

Quando sentiu os primeiros sintomas, Juan pensou que a culpa era sua pela máscara. No final de abril, eles foram distribuídos aos trabalhadores. Nebraska havia anunciado seu primeiro caso de coronavírus no início de março.

– Eu estava trabalhando, comecei a ficar sem ar. Tentei respirar profundamente, manter o ar nos pulmões por dentro. Quando fui comer no refeitório, quase caí para a frente – diz Juan.

A principal dificuldade em provar que o teste foi positivo para o coronavírus estava na comunicação, diz Juan. O problema é comum entre os latinos, explica Sindy Benavides, da LULAC, a organização de defesa da América Latina nos Estados Unidos. Muitos imigrantes não têm acesso à Internet ou mesmo e-mail para acelerar a troca de documentos entre médicos e empregadores.

Somente em Nebraska, 12 matadouros com quase 20.000 funcionários foram afetados, segundo o Centro de Controle de Doenças (CDC) do governo dos EUA. EUA Os imigrantes estão entre os mais expostos ao coronavírus: 66% dos trabalhadores em matadouros estaduais, de acordo com o Centro Legal de Imigrantes.

Mídias sociais: popularidade dos líderes sociais cresce com controvérsias no Twitter, mas isso não significa tudo

Teste restrito

No entanto, o problema com geladeiras não se limita à Tyson Foods ou Nebraska. Outros gigantes produtores de proteínas, como Smithfield e JBS do Brasil, também sofreram surtos de coronavírus em todo o país.

No Colorado, de acordo com o sindicato local da JBS, sete funcionários já morreram e 285 testes foram positivos. O presidente Kim Cordova, que representa 3.000 funcionários, diz que a empresa avalia apenas pessoas com sintomas, apesar da Casa Branca ter enviado recursos para que todos os trabalhadores sejam examinados.

– Eles começaram a avaliar os gerentes e ficou claro que os testes retornavam com uma taxa alarmante de resultados positivos. Eles pararam abruptamente. Acho que, como os números eram tão altos, eles não queriam que o mundo soubesse o quão doentes esses trabalhadores estavam, diz Kim.

Pandemia: falta de controle com coronavírus faz com que os vizinhos vejam o Brasil como uma ameaça

Segundo o CDC, 115 matadouros em 19 estados já relataram problemas. Além de Colorado e Nebraska, eles estão na lista dos estados mais afetados, como Delaware, Geórgia, Iowa, Pensilvânia, Dakota do Sul e Wisconsin. Entre os 130.000 trabalhadores dessas fábricas, quase 5.000 casos e 20 mortes foram confirmados.

Quase 30% dos trabalhadores das fábricas de processamento de alimentos nasceram fora do país, segundo o centro de pesquisa da New American Economy. Existem 500.000 imigrantes. Na indústria de processamento de carne, eles são metade dos funcionários. Somente na fábrica da JBS em Greeley, Colorado, são falados 30 idiomas. A maioria desses imigrantes é latina, um grupo populacional que acaba sendo mais exposto ao coronavírus. Apenas um em cada seis deles tem trabalhos que podem ser feitos em casa.

– É um privilégio poder socializar e ficar em casa – diz Sindy Benavides, do LULAC. – Nossa comunidade não tem esse privilégio. Ela tem que sair de casa para trabalhar. E por isso, os Estados Unidos continuam funcionando, porque somos os trabalhadores essenciais.

Devido ao vírus, o volume de produção de carne foi afetado. Pelo menos 22 fábricas tiveram que ser fechadas após surtos locais de coronavírus, de acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Alimentos e Comércio.

Entenda: citado como exemplo por Bolsonaro, a Suécia nega que a vida continue normal e prevê uma queda acentuada no PIB

Sem seguro-desemprego

O Washington Post diz que a Tyson Foods revelou que a produção de carne suína nos Estados Unidos foi reduzida pela metade. A rede de fast food de Wendy ficou sem hambúrgueres em centenas de restaurantes. Um anúncio de página inteira no Tyson The New York Times de 27 de abril dizia: “A cadeia de suprimentos de alimentos está quebrando”.

Dois dias depois, o presidente Donald Trump decidiu usar uma lei da época da Guerra da Coréia para forçar os matadouros a continuar operando em meio ao surto. O decreto classifica o processamento de carne como “infraestrutura crítica”. Kim Cordova, do sindicato do Colorado, diz que a decisão protege as empresas de ações trabalhistas:

– Muitos desses trabalhadores não têm licença médica remunerada. Agora que as fábricas são forçadas a permanecer abertas, se tiverem medo de voltar ao trabalho, não poderão receber seguro-desemprego. Eles têm decisões difíceis de tomar, entre devastação financeira ou ir ao trabalho e potencialmente morrer ou transmitir o vírus para suas famílias.

A JBS alega que segue as diretrizes de separação social do CDC e verifica a temperatura de todos os trabalhadores antes de entrar nas fábricas, além de fornecer máscaras. A Tyson Foods diz que toma as mesmas medidas.

Entenda: China apoia a OMS para avaliar ‘resposta global’ à pandemia

Escolha em dinheiro

O provável candidato presidencial democrata, Joe Biden, também criticou o decreto. Em uma videoconferência, ele disse que os trabalhadores sem documentos têm medo de procurar atendimento médico porque há policiais em alguns lugares.

– Como nos tornamos melhores ou mais fortes como nação quando imigrantes e comunidades latinas, entre as quais muitos trabalham nessas mesmas fábricas que designamos como essenciais à nossa economia e suprimento de alimentos, vivem todos os dias com medo de incursões do ICE [política de imigração dos EUA] em seus lugares se eu trabalhar?

Na Internet, nos grupos do Facebook, parentes de vítimas de coronavírus da cadeia alimentar compartilham informações sobre os direitos dos trabalhadores. Os filhos e sobrinhos de imigrantes com sobrenomes de origem latina, mas também de países africanos como Somália e Sudeste Asiático, incluindo Tailândia e Mianmar, organizam redes de apoio e petições.

Disputa: China vence guerra contra a versão pandêmica da África

Eles pedem que as fábricas sejam fechadas para uma limpeza completa, mas às vezes fazem perguntas ainda mais simples: “Como recebo o salário de meu pai, que está no hospital, e de minha irmã e mãe mais nova, que moram com ele? com COVID?

Outra pergunta publicada nesta segunda pergunta é: Os empregadores podem reduzir seu seguro de saúde sem notificá-lo? “Meu pai teve COVID, ele teve que ficar em casa sem receber. Fomos notificados de que seu empregador terminou a cobertura no dia em que minha mãe foi hospitalizada “, disse um usuário com sobrenome latino.

“Sim, eles podem”, disse uma das respostas.

fonte: https://oglobo.globo.com/mundo/nos-eua-latinos-com-covid-19-sao-pressionados-trabalhar-na-industria-de-carnes-24432340

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: