Martín Ron: Um muralista argentino entre os grandes

Martín Ron: Um muralista argentino entre os grandes

Ele está sempre lá. Apesar de todos os obstáculos. Minha mãe e meu pai sempre me apoiaram: “Desenhe, desenhe”, eles me disseram, porque eles sabiam e já estavam orgulhosos de mim quando eu era pequena. Eles me fizeram desenhar até dar amigos, quando eu tinha cinco ou seis anos. Embora meu contexto e minha localização geográfica não me levassem à pintura, ainda gosto em três de fevereiro de Caese – tenho minha oficina aqui – embora não seja o mais artístico, porque não há muito o que ver nessa direção. Quando você é do idiota, os museus da capital estão longe. Todos os meus amigos vêm de famílias humildes. Assim, nosso denominador comum é: “Você tem que trabalhar”. Diante da escolha, eu duvidava da arte. É por isso que viajei três corridas. Observei em economia, design industrial e gerenciamento de arte e cultura. Eu deixei os três. Eu nunca tive tempo porque sempre havia algo que me levou a pintar.

Eu posso fazer de você uma cronologia do que vi. Do meu ponto de vista, começou como uma contracultura importada. Os artistas aqui entraram no Streetart, o que seria como a evolução do grafite, porque eles eram grafites ou porque encontraram um novo espaço de expressão. Isso deu liberdade única porque aqui nunca foi vandalizada, a menos que sejam grafites. É por isso que a cena era bastante prolífica nesse sentido, porque os artistas não precisavam pintar no escuro, mas à luz do dia, com spray e fizeram peças muito boas. Uma ninhada muito boa foi feita. Quando me tornei conhecido aqui, já havia pessoas que o quebraram. Então chegou um momento em que as marcas fizeram testes disruptivos, então a cidade e o município começaram a capitalizar o fenômeno, gerando espaços de produção para artistas, dando -lhes a possibilidade de pintar peças grandes que, em outros lugares, deixam um resultado tão feliz para o vizinho . É por isso que estou muito interessado em pintar nos arredores. Como sei que farei essa contribuição de valor, faço isso em lugares onde a arte deve chegar. Eu cresci em Caseros. Eu gostaria de me levantar, jogar na bola e chutá -lo contra uma parede e dizer: “Che, como ele tem?”. Hoje, em uma nova crise e em pandemia, a iniciativa é mais no setor privado. Às vezes, as pessoas também estão começando a ver que esses edifícios “não têm um mural”. Com tantos murais na Argentina …

fonte: https://www.vice.com/es/article/z3x5px/martin-ron-un-muralista-argentino-entre-los-grandes

Os comentários estão encerrados.