Mariah Angeliq é a princesa de Perreo e ninguém assume o trono

Mariah Angeliq é a princesa de Perreo e ninguém assume o trono

Vivemos em um mundo em que Reggaeton está nas primeiras listas de listas de popularidade global, nas quais os artistas latinos são os mais reproduudx do mundo e em que músicas como “Perreito”, de Mariah Angeliq, tornam -se fenômenos musicais com centenas de milhares de peças (mais de 80 milhões no YouTube, para ser exato).

Falamos com a auto-proclamada princesa de Perreo de sucesso, de sua carreira, para ser uma mulher na indústria da música, planos futuros e muito mais.

Em 2020, Mariah publicou Normal, seu primeiro EP por sete músicas. Ele começou a gravá -lo após o sucesso de seu single “Perreito” (2019), que arrasou em plataformas de streaming digital – além do Tiktok – e que continuou com seu ciclo de vida graças a um arcanjo de remix ambicioso e Darell.

Para aqueles que não a conhecem, Mariah é uma cantora de 21 anos, nascida em Miami, mas 100% de sangue latino. Ele tem raízes cubanas e porto -riquenhas, herdadas de seu pai e mãe. Descoberto aos 16 anos pelo prestigiado produtor Nely “The Secret Weapon”, encontrado na música o caminho para expressar e viver nela.

Você publicou o normal no verão passado e o EP já tem mais de 500 milhões de visualizações. O que parece ter um número tão grande, assim como outros artistas que estão lá há anos?

Mariah: Eu me senti muito talentoso, sei que percebi muito. Agora que sinto e penso em tudo o que fiz: shows, apresentações, vídeos musicais, colaborações. No meu armário, não há mais roupas que tenho, sinto que estou em uma boa posição e me encontro bem.

VICE: Apesar da pandemia, 2020 foi um feliz ano novo para sua carreira. Como você se sentiu?

Honestamente, acho que sim. Se você não tiver o “pacote completo”, não vai durar. Se você é bonito e agora não vai durar. Você pode ter os seios, bunda, tudo o que está feito, mas … e sua música, quando? Eu acho que muitas mulheres não ficam porque falham em outras áreas e acreditam que, com alguma coisa, elas já têm tudo. Eu acho que você precisa saber como jogar no palco e precisa se desenvolver.

Embora a diferença entre os sexos tenha feito suas portas e hoje, há mais mulheres que fazem reggaeton e armadilha, há poucos que atingem a esfera comercial. Isso custou para você?

Eu tenho uma mentalidade diferente e quero conversar com mulheres que têm a mesma mentalidade, quero fazer música assim, porque sei que existem mulheres assim, elas gostam. E homens também, para todos. Para os inimigos também.

Nas suas músicas, você fala com mulheres, mas há mulheres que continuam catalogar Reggaeton e prender como gêneros sexistas e machistas. O que você acha daquilo?

Eu acho que as pessoas receberam bem, elas gostam. Em Tiktok, eles fizeram #sucioylentochallenge e se tornaram virais. É super bom, pessoas assim, é uma música direta, muitas mulheres gostam de falar assim.

Você também lançou “Dirty and Slow”, com Lele Pons. Como o público e o vídeo receberam o público?

Sinto -me super honrado, me sinto abençoado, me sinto especial por ser uma mulher que a quebrou no top 5.

Do lado de fora, acho que a indústria da música ainda é dominada por homens. Como você vê isso por dentro?

Eu acho que a indústria da música não é para todos. Você deve ter uma mente forte e, felizmente, eu a tenho. Obviamente, sou mulher, tenho sentimentos e eles me afetarão, mas não tomo nada pessoal e tenho muita segurança em mim. Na indústria como mulher, tem mais vantagens e ainda mais poder, se você acredita.

Você tem 21 anos, mas suas referências à música do passado são muito legais. O que o encorajou a usar a música antiquada?

Eu acho que tenho uma alma velha. Minha mãe sempre colocou música velha e cresceu ouvindo, desenvolvi esse sabor, nunca quero que eu morra. E ele não vai morrer porque aqueles que sabem o que é realmente a música sempre crescerão. É a coisa bonita desenvolver algo, você inventa (re) algo que já foi inventado e foi um sucesso.

Nesta direção, o que você acha das críticas que outros artistas receberam sobre o remix de remix?

fonte: https://www.vice.com/es/article/3anwjw/mariah-angeliq-es-la-princesa-del-perreo-y-nadie-le-quita-el-trono

Os comentários estão encerrados.