Frases prejudiciais que os pais dizem aos filhos, de acordo com especialistas

Frases prejudiciais que os pais dizem aos filhos, de acordo com especialistas

Artigo originalmente publicado por Vice em italiano.

Os pais de todo o mundo têm um vocabulário sincero semelhante a lidar com o mau comportamento de seus filhos: “Eu me apresso ou deixo você para trás” mais como sua irmã? Esses tipos de frases cobrem diferentes países, culturas e idiomas e, de acordo com alguns especialistas, nossas mentes podem ter afetado quando éramos crianças.

Propaganda

Lorenzo NAIA, especialista em comunicação infantil, professora, babá e autora do Livro Infantil »A educadora e educadora Analisa Falcone concorda. “As crianças internalizam as mensagens de nosso comportamento, o que dizemos, o tom em que dizemos”, diz ele.

Em uma pesquisa para justificar culpar meus pais por todos os meus problemas, perguntei aos dois especialistas o que eles pensavam das frases mais comuns usadas para disciplinar os filhos e como eles poderiam substituir mensagens mais saudáveis.

Quando os pais ameaçam abandonar seus filhos

“Se você não se apressar, vou deixá -lo para trás.”

“Se você fizer isso, mamãe / papai vai sair.”

“Quando os pais dizem essas coisas, eles instilam seus filhos por medo apenas para alcançar seu objetivo mais rápido”, disse Falcone.

O problema: os dois especialistas concordam que as crianças temem o abandono mais do que qualquer outra coisa, até a morte. Enquanto uma criança gradualmente aprende a temer a morte à medida que cresce, “o medo do abandono é inato, tanto que os bebês costumam chorar apenas para garantir que seu cuidador esteja lá”, disse NAIA.

Propaganda

Devido a esses problemas instintivos de abandono, as crianças devem saber que sempre podem contar com o apoio de seus pais. “Como pai, você deve indicar claramente [seus filhos] que você nem sempre pode concordar com eles e que pode ficar com raiva, mas eles sempre podem confiar em você e que você não parará de amá -los e apoiá -los”, continua NAIA. “No entanto, ameaçar abandoná -los envia a mensagem de que existe a possibilidade de você não estar lá para eles”.

A solução: os pais costumam usar essas frases quando estão com pressa de sair de algum lugar ou para garantir que seu filho não esteja perdido. “Uma maneira [de melhorar a mensagem] é tornar essas orações positivas”, diz NAIA. Em vez de dizer: “Se você não fizer x, eu farei isso”, você pode dizer: “Se você fizer isso por mim, farei isso por você”.

De acordo com o Falcone, você também pode tentar frases como: “Ok, darei a você dez minutos para terminar de jogar no balanço, depois saímos”. O pedagogo acrescenta: “Isso ajudará a criança a aprender conceitos importantes, como chegar a um acordo”.

Quando os pais ameaçam ou cantam filhos

“Se você chorar, eu o enviarei para um colégio interno.”

“Se você não se comportar bem, espere e verá o que está acontecendo com você.”

“Se você não fizer sua lição de casa, não vou te comprar este brinquedo.”

Propaganda

Os pais geralmente dizem que esse tipo de coisa principalmente para impedir que seus filhos se comportem mal. Mas, de acordo com Falcone, esses tipos de frases “são mais um atalho para adultos, não ensinam às crianças uma lição real”.

O problema: Naia diz que a psicologia infantil e a pedagogia desencorajam os pais de pensarem em termos de impor sanções, porque a criança reagirá de acordo com seu medo de ser punido, em vez de realmente pensar em seu comportamento. “Eles tentarão atender às expectativas dos adultos sem entender o porquê”, acrescenta Falcone.

“O mesmo princípio também se aplica aos prêmios”, explica a NAIA. “Quando você diz:” Se você tiver uma boa nota, vou comprar um brinquedo para você “, a atenção se concentrará mais no brinquedo do que no comportamento”.

A solução: os dois especialistas pensam que os pais devem sempre tomar nota e reconhecer um bom e mau comportamento, recompensando o primeiro e determinando o segundo. Alugar a criança por suas boas ações o ajudará a “parar e pensar em aspectos positivos”, explica a NAIA.

Da mesma forma, os pais nunca devem condenar a culpa; Eles devem chamar a atenção para seus filhos com a intenção de incentivá -los a melhorar. “Em vez de dizer:” Você não pode brincar com o PC porque não terminou sua lição de casa “, tente:” Assim que terminar sua lição de casa, pode jogar “, explica NAIA.

Propaganda

Quando os pais tentam ensinar a seus filhos uma lição moral ou de vida

“Coma sua comida, há crianças que morrem no mundo”.

“É um mundo difícil, é melhor você aprender agora.”

“Quando você é mais velho, pode fazer o que quiser. Agora essas são minhas regras.

Segundo os dois especialistas, os pais usam lições morais para terceirizar os desafios que encontraram em suas vidas. No entanto, as crianças geralmente as percebem como uma punição.

O problema: essas declarações tendem a ser genéricas e abstratas; portanto, as crianças têm problemas para entender o que significam. “Como sabemos por neurociência, o pensamento abstrato está se desenvolvendo muito lentamente, entre cinco e 25 anos”, explica Falcone. Em vez disso, isso sugere que os pais devem dar a seus filhos exemplos mais concretos com os quais eles podem identificar.

“Pense, por exemplo, na frase:” Coma sua comida, as outras crianças estão com fome. “A mensagem que queremos transmitir não é dar comida, mas quando você a escreve dessa maneira, parece que culpamos as crianças por eventos que não têm nada a ver com elas”.

A solução: Naia diz que os pais devem introduzir o conceito de moralidade de maneira metafórica usando ficção. “Jogue, leia, observe personagens diferentes em diferentes situações, tudo isso ajuda a criança a desenvolver um sentimento de empatia”, continua Naia. As histórias de ficção também ajudam as crianças a imaginar situações positivas e negativas “com uma rede de segurança”.

Propaganda

Quando os pais comparam seus filhos com outras pessoas

“Por que você não consegue se parecer mais com seu primo?” Ele se comporta tão bem.

“Você é como seu pai / mãe.”

“Você não é bom nesta área, deixe -me fazer isso.”

O Falcone estima que muitas dessas comparações vêm de nossa mentalidade para priorizar a produtividade e o sucesso. “Você deve sempre atender às expectativas, ser melhor que outras”, disse ele.

O problema: “Como educador infantil, sempre digo que não é uma competição: cada pessoa é especial e precisa do seu tempo”, explica Falcone. “É isso que cada pai deve internalizar.” O fato de certos comportamentos serem mais espontâneos em uma criança não significa que ela seja tão intuitiva nos outros. Compare seu filho constantemente com outras crianças em seu estágio de desenvolvimento “abrange o risco de minar sua estima e sua confiança, necessárias para enfrentar seu futuro”, explica Falcone.

Da mesma forma, o pai geralmente compara seus filhos à mãe e vice -versa. O problema é que a criança é usada como um duto para fazer acusações contra um adulto quando não tem nada a ver com o conflito original.

A solução: os pais podem fazer comparações com o comportamento passado de uma criança para destacar seu progresso. Por exemplo, você pode usar frases como: “Estou feliz porque ontem você brincou com todas as outras crianças e compartilhou seus brinquedos”, explica a NAIA. “Nesse caso, como pai, enfatizo o que você me mostrou o que pode fazer, as coisas que estão ao seu alcance e que fazem parte de você”.

Propaganda

Quando os pais temem ser julgado pelos outros

“Não chore como uma garota.”

“Você é uma senhora, você não pode fazer isso.”

“Este brinquedo não combina com você, vamos comprar outro.”

Como diz a NAIA, “estudos interdisciplinares que combinam sociologia, medicina e psicologia mostram que os papéis e expressões de gênero são arbitrariamente definidos pela sociedade em que estamos imersos”. Embora algumas coisas sejam consideradas masculinas em uma sociedade, elas podem ser codificadas como femininas em outra. No entanto, superar esses estereótipos é bastante difícil para os adultos, porque eles estão profundamente enraizados em sua compreensão do mundo.

O problema: os pais geralmente temem ter vergonha ou julgados por seus colegas. “As pessoas encontram modelos tranquilizadores, então veja que sua filha se comporta da mesma maneira que outras meninas da idade dela nos fazem sentir bons pais”, disse NAIA. No entanto, a imposição de papéis estritos pode sufocar a individualidade de uma criança e danificar sua auto -estima.

A solução: adote uma educação neutra em termos de gênero e tente eliminar estereótipos e palavras como “garoto”, “menina”, “dama” e “homenzinho”, enquanto promove um estilo de brincadeira onde a criança é livre para escolher. A criança experimentará coisas diferentes e descobrirá o que realmente gosta.

fonte: https://www.vice.com/es/article/k7akpm/padres-hijos-frases-nocivas-educacion-expertos

Os comentários estão encerrados.