FOCO: O mercado reduz a projeção do PIB para -6,51% e eleva o IHPC para 1,6% em 2020

FOCO: O mercado reduz a projeção do PIB para -6,51% e eleva o IHPC para 1,6% em 2020
Caixa publica consulta sobre o valor e a data dos novos saques do FGTS
15 de junho de 2020
FOCO: O mercado reduz a projeção do PIB para -6,51% e eleva o IHPC para 1,6% em 2020
Alexandre de Moraes autoriza prisão de Sara Winter
15 de junho de 2020

FOCO: O mercado reduz a projeção do PIB para -6,51% e eleva o IHPC para 1,6% em 2020

FOCO: O mercado reduz a projeção do PIB para -6,51% e eleva o IHPC para 1,6% em 2020

FOCO: O mercado reduz a projeção do PIB para -6,51% e eleva o IHPC para 1,6% em 2020

© Reuters.

Por Gabriel Codas

Investing.com – Na segunda-feira (15), o Banco Central lançou outra edição do semanário Focus Bulletin, com reduções adicionais às estimativas dos analistas de mercado para o desempenho de crescimento da economia brasileira. No caso da inflação oficial para o final do ano, houve um ajuste para cima. Os números mostram a tendência da crise econômica se intensificar no Brasil em meio à pandemia de coronavírus.

PIB

Os economistas ouvidos pelo BC intensificaram, pela 18ª semana consecutiva, a projeção de queda do PIB brasileiro para o ano. A estimativa é agora uma queda de 6,51% no PIB em 2020, em comparação com 6,48% na semana passada. Há quatro semanas, a projeção era de -5,12%. Para 2021, a estimativa continua a crescer em 3,50% e permaneceu em 2,50% para 2022 e 2023.

Inflação

Os analistas interromperam a sequência de redução e elevaram a estimativa oficial de inflação, de 1,53% da projeção da semana passada para 1,60%. Há quatro semanas, a aposta era de um IPCA de 1,59% no final do ano. A aposta para o final do ano civil permanece abaixo do centro da meta de 4,00% e abaixo da margem de tolerância de 1,5 pontos percentuais.

Houve uma redução nas estimativas de inflação para 2021, o horizonte da política monetária do Banco Central sob o sistema de metas de inflação, e os analistas estimaram o IPCA em 3,00% e não mais que 3,10%; A estimativa também está abaixo do centro da meta de inflação estabelecida para o próximo ano, 3,75%.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) em maio foi de -0,38%, enquanto a taxa registrada em abril foi de -0,31%. Essa é a menor variação mensal desde agosto de 1998 (-0,51%). No ano, o IPCA acumulou queda de 0,16% e, nos últimos doze meses, aumento de 1,88%, abaixo dos 2,40% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em maio de 2019, a taxa havia sido de 0,13%.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, cinco sofreram deflação em maio. O maior impacto negativo do mês, -0,38 pontos percentuais (p.p.), veio do transporte, cuja queda de 1,90% foi menos intensa que a de abril (-2,66%). Outros destaques foram Vestuário e Habitação, que caíram 0,58% e 0,25%, respectivamente. No lado alto, os itens domésticos aumentaram 0,58% em comparação com a queda do mês anterior (-1,37%). Alimentos e bebidas (0,24%) desaceleraram em relação a abril (1,79%). O restante ficou entre a queda de 0,10% em Saúde e cuidados pessoais e o aumento de 0,24% em Comunicação.

Selic

O cenário constante de deterioração do PIB e as projeções do IPCA, principalmente a inflação no próximo ano, o horizonte da política monetária, sustentam as novas apostas do corte da Selic na próxima reunião do Copom. Após a última decisão da autoridade monetária, que surpreendeu o mercado ao reduzir a Selic em 0,75 ponto percentual, de 3,75% para 3,00% ao ano, os economistas consultados pela Focus esperam o fim do ciclo de flexibilização ultra-monetária de 2,25%. em 2020, com um corte adicional de 0,75 ponto percentual na próxima reunião em junho.

Há quatro semanas, a expectativa era de que a Selic fechasse 2020 em 2,25%. O texto da última decisão do BC limita o atual ciclo de relaxamento com a taxa Selic a 2,25% ao ano.

Os analistas também estimam que o ciclo de altas taxas de juros começará no próximo ano, agora projetando uma taxa Selic de 3,0% no final de 2021, acima de uma estimativa de 3,5% na semana passada e quatro semanas atrás. Para 2022, a projeção permaneceu em 5% e a projeção para 2023 permaneceu em 6,00%.

Dólar

Em relação ao dólar, as apostas para 2020 foram reduzidas de R $ 5,40 para R $ 5,20, após o fechamento de 2019 para R $ 4.0195. A moeda americana iniciou o forte período de volatilidade após o Carnaval, quebrando sucessivos recordes de fechamento máximo, atingindo perto de R $ 6,00 em meados de maio.

Há quatro semanas, os analistas projetavam um dólar em Focus para R $ 5,28 no final do ano em Focus. No próximo ano, as estimativas também foram reduzidas, de R $ 5,08 na semana passada para R $ 5,00, voltando à projeção há quatro semanas.

fonte: https://br.investing.com/news/economic-indicators/focus-mercado-reduz-projecao-do-pib-para-651-e-eleva-do-ipca-para-16-em-2020-755434

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: