Bolsonaro veta transferência de R $ 8,6 bilhões para combater o coronavírus

Bolsonaro veta transferência de R $ 8,6 bilhões para combater o coronavírus
O grupo de trabalho de Lava-Jato diz que um advogado foragido é um “mentiroso teimoso” e tentou enganar autoridades
5 de junho de 2020
Bolsonaro veta transferência de R $ 8,6 bilhões para combater o coronavírus
IBGE: Até as mulheres empregadas passam 8 horas a mais que os homens no trabalho doméstico.
5 de junho de 2020

Bolsonaro veta transferência de R $ 8,6 bilhões para combater o coronavírus

Bolsonaro veta transferência de R $ 8,6 bilhões para combater o coronavírus

Bolsonaro veta transferência de R $ 8,6 bilhões para combater o coronavírus

Na quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro assinou a Lei 14.007, que extingue o fundo administrado pelo Banco Central constituído por reservas monetárias. No entanto, vetou artigos que previam a transferência de R $ 8,6 bilhões em recursos desse fundo para governos estaduais e municipais para uso na luta contra a pandemia de covid-19.

A alocação de recursos foi determinada pelo Congresso, na votação da Medida Provisória 909. Originalmente, o MP usava todos os ativos do fundo para pagar a dívida pública federal.

O presidente Jair Bolsonaro vetou o item I do artigo 2, que dizia que os recursos seriam “totalmente alocados, no ano fiscal de 2020, aos Estados, ao Distrito Federal e aos municípios para a aquisição de materiais para impedir a disseminação do Covid-19”. .

Também vetou os parágrafos 2, 3 e 4 do item III, que estabelecem que os recursos seriam divididos na proporção de 50% para os Estados e Distrito Federal e 50% para os municípios, além de outras disposições.

O veto foi solicitado pelo Ministério da Economia e pelo Procurador Geral da União (AGU). Como justificativa, Bolsonaro argumentou que o Congresso, ao alterar o destino final dos recursos derivados da extinção do fundo, viola o princípio constitucional que proíbe emendas parlamentares para aumentar os gastos em projetos sob a iniciativa exclusiva do Presidente da República. Além disso, afirmou que a nova alocação do fundo não respeita a política de teto de gastos, que proíbe a criação de despesas obrigatórias para o Poder Executivo sem a declaração de impacto orçamentário e financeiro no ano atual e nos dois anos seguintes.

Na promulgação da lei, o texto sancionado diz que o destino e o tratamento que serão dados aos bens e direitos vinculados ao fundo formado pelas reservas monetárias devem observar até que ponto os títulos do governo que compõem as reservas monetárias serão cancelado pela Secretaria do Tesouro Nacional.

fonte: https://valor.globo.com/politica/noticia/2020/06/03/bolsonaro-veta-repasse-de-r-86-bi-para-combate-ao-coronavirus.ghtml

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: