Bolsonaro expande o uso de cloroquina ao admitir que ele pode não ser eficaz e trazer sérios efeitos colaterais

Além de reduzir o valor da ajuda, o governo está considerando reduzir o grupo que receberá novas parcelas.
Além de reduzir o valor da ajuda, o governo está considerando reduzir o grupo que receberá novas parcelas.
21 de maio de 2020
Câmara aprova projeto que dispensa experiência do INSS para pessoas com doenças degenerativas, durante uma pandemia
Câmara aprova projeto que dispensa experiência do INSS para pessoas com doenças degenerativas, durante uma pandemia
21 de maio de 2020

Bolsonaro expande o uso de cloroquina ao admitir que ele pode não ser eficaz e trazer sérios efeitos colaterais

Bolsonaro expande o uso de cloroquina ao admitir que ele pode não ser eficaz e trazer sérios efeitos colaterais

Bolsonaro expande o uso de cloroquina ao admitir que ele pode não ser eficaz e trazer sérios efeitos colaterais

Em um novo protocolo, no qual admite que não há evidências de eficácia e assume a possibilidade de graves riscos secundários à cloroquina, o governo de Jair Bolsonaro mudou nesta quarta-feira a orientação para médicos que tratam pacientes com covid-19. O documento assinado pelo Ministério da Saúde, uma pasta que ainda não tem um ministro oficial, afirma que o medicamento pode ser prescrito mesmo no caso de sintomas leves da doença. Para isso, no entanto, o paciente deve assinar um termo de consentimento, que afirma expressamente que sabe que não há estudos conclusivos de que a cloroquina melhoraria sua saúde e conhece os inúmeros efeitos colaterais que a droga pode causar, como problemas cardíacos. , disfunção hepática e problemas de visão.

O portfólio dirigido pelo general Eduardo Pazuello desde a saída do ministro Nelson Teich, há menos de uma semana, já autorizava, desde a administração de Luiz Henrique Mandetta, o uso do medicamento desde que o médico e o paciente assumissem juntos os riscos de efeitos colaterais. . Ele seguiu uma opinião técnica do Conselho Federal de Medicina, que autoriza a prescrição de cloroquina em casos excepcionais e dada a falta de medicamentos eficazes para o tratamento da covid-19, mas não a recomenda. Tanto Mandetta quanto seu sucessor, Teich, aconselharam que apenas casos graves devam ser tratados com a droga, dentro de hospitais, onde existe uma estrutura para monitorar o paciente em busca de arritmia cardíaca, por exemplo. Mas nas últimas semanas, Bolsonaro aumentou a pressão para mudar o protocolo, culminando na renúncia de seu segundo ministro da Saúde. Mesmo no início da crise, o presidente havia determinado um salto na produção de drogas pelo Exército.

O presidente, que tem defendido repetidamente a necessidade de reabrir a economia, mesmo quando a curva de contágio continua a crescer e o país já excede o recorde de 1.000 mortes diárias, disse que cabe a ele decidir e que, no futuro , A Science pode concluir que a cloroquina teve apenas um efeito placebo; ele quer que o próprio paciente decida se deve ser tratado com a droga. Bolsonaro não comentou os graves efeitos colaterais que a cloroquina pode causar e novamente polarizou seu uso. “Quem está à direita toma cloroquina, quem está à esquerda toma Tubaína”, ele até riu em uma entrevista online com um jornalista nesta terça-feira (19).

O documento publicado pelo Ministério da Saúde não obriga os médicos a prescreverem cloroquina, mas transmite uma mensagem expressa com orientações para seu uso. A pasta contém uma classificação dos sintomas leves, moderados e graves da covid-19. E estipula a dose e o número de dias para usar o medicamento. Ele argumenta que ainda não existem medicamentos com eficácia comprovada e que já existem hospitais particulares com protocolos próprios, portanto a idéia é ampliar o uso de cloroquina no SUS.

Especialistas ouvidos pelo EL PAÍS rejeitam que haja benefício no uso precoce do medicamento e que existam unidades de saúde, como o Hospital das Clínicas, que não o utilizam mesmo em casos graves, uma vez que não existem estudos que comprovem sua eficácia . Os Estados Unidos, país citado repetidamente por Bolsonaro como exemplo no uso da droga, já retiraram a recomendação de usar altas doses de cloroquina para tratar a doença fora dos hospitais. Na segunda-feira passada, a Sociedade Brasileira de Imunologia (OSI) desaconselhou o uso do medicamento “, uma vez que diferentes estudos mostram que não há benefícios para os pacientes” que o usaram e devido aos efeitos colaterais (principalmente problemas cardíacos) que podem levar à morte de pacientes.

A orientação sobre o uso de cloroquina associada a outros medicamentos é o primeiro de três pontos que o Ministério da Saúde está revisando para o tratamento de pacientes com o novo coronavírus. Além do uso de drogas, o Ministério deve fornecer novas diretrizes relacionadas ao uso de equipamentos e recursos humanos. Por enquanto, o portfólio divulgou apenas a primeira parte das novas diretrizes. “O Ministério da Saúde está consolidando as diretrizes para o tratamento de pacientes com covid-19”, diz a pasta.

Estávamos errados: no texto inicial, publicamos que o medicamento poderia ser prescrito antes do resultado do teste covid-19. Mas o documento do Ministério da Saúde afirma que “o uso de medicamentos está condicionado à avaliação médica, com anamnese, exame físico e exames complementares, em uma Unidade de Saúde” e que “os critérios clínicos para iniciar o tratamento em qualquer estágio da O tratamento da doença não exclui a necessidade de confirmação radiológica e laboratorial “.

Informações sobre o coronavírus:

– Clique para acompanhar a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise do Covid-19;

– O mapa dos coronavírus no Brasil e no mundo: é assim que os casos crescem dia a dia, país por país;

– O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre coronavírus;

– Guia para morar com uma pessoa infectada com o coronavírus;

– Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

fonte: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-05-20/bolsonaro-amplia-uso-da-cloroquina-admitindo-que-pode-nao-ter-eficacia-e-trazer-efeitos-colaterais-graves.html

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: