Aras protesta contra a apreensão do telefone celular de Bolsonaro

"A Polícia Federal atua de forma autônoma", diz Mourão
“A Polícia Federal atua de forma autônoma”, diz Mourão
28 de maio de 2020
Bolsonaro sanciona ajuda a estados e municípios e proíbe o reajuste de servidores até 2021
Bolsonaro sanciona ajuda a estados e municípios e proíbe o reajuste de servidores até 2021
28 de maio de 2020

Aras protesta contra a apreensão do telefone celular de Bolsonaro

Aras protesta contra a apreensão do telefone celular de Bolsonaro

Aras protesta contra a apreensão do telefone celular de Bolsonaro

Aras protesta contra pedido de confisco de celulares e filho de Bolsonaro

O procurador-geral da República, Augusto Aras, falou no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a apreensão do telefone celular do presidente Jair Bolsonaro.

Aras entendeu que, como a investigação é de responsabilidade do MPF, terceiros não podem intervir no processo, como no caso de partidos e parlamentares.

O pedido das partes foi enviado pelo relator do caso, ministro Celso de Mello, a Aras. Isso é prática neste tipo de ação. O PGR é responsável por propor uma investigação do Presidente ao STF.

“No caso de uma investigação perante as autoridades competentes devido à prerrogativa da função no Supremo Tribunal Federal, como corolário da propriedade de uma ação criminal pública, a Procuradoria Geral da República é responsável por solicitar a abertura de uma investigação. , bem como a indicação das etapas da investigação, sem prejuízo do acompanhamento de todos os seus procedimentos por todos os cidadãos “, escreveu o PGR.

O procurador-geral também afirmou que “as medidas necessárias serão avaliadas na investigação em andamento” em tempo hábil.

“Consequências imprevisíveis”, diz Augusto Heleno sobre a apreensão do celular de Bolsonaro

Reacções

Na semana passada, após o envio do pedido à PGR, uma nota emitida pelo Primeiro Ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, provocou uma reação de entidades civis e parlamentares.

Augusto Heleno declarou que uma decisão favorável de pegar o celular do presidente poderia ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional.

Horas após o envio de Celso de Mello, o ministro Augusto Heleno, do Escritório de Segurança Institucional, emitiu uma nota.

Ele afirmou que “o pedido de apreensão do telefone celular do presidente é inconcebível e, até certo ponto, incrível. Se fosse eficaz, seria uma afronta à mais alta autoridade do Poder Executivo e uma inaceitável ingerência de outro poder. na privacidade do Presidente da República e na segurança institucional do País. O Escritório de Segurança Institucional da Presidência da República adverte as autoridades constituídas de que tal atitude é uma tentativa evidente de comprometer a harmonia entre os poderes e poderia consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional “.

fonte: https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/05/28/aras-se-manifesta-contra-apreensao-do-celular-de-bolsonaro.ghtml

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: