Abraham Weintraub permanece no Ministério da Educação

Abraham Weintraub permanece no Ministério da Educação
Deputado Daniel Silveira e vendedor de Bolsonaro são alvos de busca da FP
16 de junho de 2020
Abraham Weintraub permanece no Ministério da Educação
Guedes escolhe Bruno Funchal para substituir Mansueto no Tesouro
16 de junho de 2020

Abraham Weintraub permanece no Ministério da Educação

Abraham Weintraub permanece no Ministério da Educação

Abraham Weintraub permanece no Ministério da Educação

Abraham Weintraub continua no Ministério da Educação As pressões do STF e do Congresso, no entanto, ainda não foram superadas, na avaliação do Palácio do Planalto, que busca superar a crise Abraham Weintraub

Abraham Weintraub continua no Ministério da Educação Fátima Meira / Futura Press / Estadão Conteúdo – 03.03.2020

Depois de se reunir com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, nesta segunda-feira (15) e com outros ministros do palácio, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decidiu manter o Weintraub como chefe do portfólio. No entanto, o Planalto ainda considera que a pressão do STF e do Congresso pela renúncia ainda não foi superada e está estudando uma saída para a crise.

A trajetória do Weintraub à frente do portfólio acumula desgaste devido a declarações controversas. A participação do ministro nos protestos deste domingo (14) na Esplanada foi considerada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) como a gota d’água. Ele atacou novamente o Supremo Tribunal em uma reunião com manifestantes que quebraram o bloqueio do DF na Esplanada, numa época em que a crise entre o Executivo e o Judiciário avançava rumo a uma trégua na última semana. Na noite de sábado (13), um grupo de manifestantes lançou fogos de artifício na direção do Supremo.

A ação do ministro Weintraub foi um ponto alto para Dias Toffoli

A situação do ministro já é complicada, pois foi sugerido que o vídeo da reunião ministerial de 22 de abril em Weintraub colocou os “vagabundos” do STF (Supremo Tribunal Federal) na prisão. O discurso gerou críticas de ministros e parlamentares, além de impactar negativamente a opinião pública.

Durante a reunião, o próprio Weintraub lembrou que era um ministro “ativista”. Seus ataques às redes resultaram em dezenas de ações judiciais. Se ele deixar o governo, o ministro perde seu fórum privilegiado e esses processos serão encaminhados para os níveis mais baixos.

No final de maio (28), o Weintraub também criticou a operação de PF (Polícia Federal) na investigação de notícias falsas. Ele pediu a execução de 29 ordens de busca e apreensão, realizadas em endereços ligados aos apoiadores de Bolsonaro, da Noite dos Cristais no Brasil, em referência ao dia trágico do regime nazista.

Bolsonaro inaugurou o Weintraub em abril de 2019 Adriano Machado / Reuters – 09.04.2019

O economista Abraham Weintraub está à frente do Ministério da Educação em abril de 2019, após a saída de Ricardo Vélez Rodríguez. Antes, ele era secretário executivo da Casa Civil. É da chamada ala olavista, ou governo ideológico, alinhada com os pensamentos do filósofo Olavo de Carvalho.

Weintraub possui um Mestrado em Administração de Empresas em Finanças pela FGV (Faculdade Getulio Vargas), um MBA e um Bacharelado em Economia pela USP (Universidade de São Paulo).

fonte: https://noticias.r7.com/prisma/r7-planalto/abraham-weintraub-segue-no-ministerio-da-educacao-15062020

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: